Close Menu

Busque por Palavra Chave

Preciso relembrar a cidade de Novo Hamburgo

Por: Júnior Chisté
12/05/2017 15:06 - Atualizado em 12/05/2017 15:06

Engana-se quem acha que aqui vou falar sobre futebol ou a conquista história do "Nóia" diante do Inter no último domingo com toda a justiça.

Lendo um pouco sobre a etnia alemã que predomina nesta cidade, em uma das edições desta semana do Zero Hora, logo me veio uma lembrança daquelas gavetas há tempos fechadas em nossa mente e que não abríamos há pelos menos uns dez anos.

Eu devia ter uns onze anos de idade, integrava um dos grandes corais do Brasil, o nome? Arautos do Grande Rei, sim o nosso coral de Xaxim que tanto ainda nos orgulha.

Como é bom lembrar esses momentos, nossa mente nos transporta, parece que estou vivendo aquele congresso de meninos cantores do Brasil que lá se realizava. Devia ser o ano de 1984, 1985...

Pois bem, entre os corais, há um respeito muito grande e a cidade que sedia o congresso evidente fica sempre responsável em se comprometer com a comida e com o pouso para as centenas de vozes vindas de todo o Brasil.

Fui recepcionado magistralmente na residência de um casal de alemães que possuía e espero que ainda possuam, dois meninos cantores e que logo fiz uma amizade.

Foi uma semana! Foram sete dias que marcaram em minha vida. Sete dias em que tomava café, almoçava, lanchava e jantava com aquela família alemã.

Quando a senhora desta família se comunicava com alguma família obviamente não entendia nada pois a língua germânica é algo nada peculiar do meu habitat.

Junto a essa residência havia uma quadra de futebol, sim uma quadra somente para esses dois meninos onde convidavam todos os outros colegas da rua para partidas de futebol, achei aquilo o máximo.

Me lembro que o nome de um deles era Marcelo, o outro infelizmente minha mente me trai.

Jamais esqueço de Novo Hamburgo, da praça de Novo Hamburgo, do povo de Novo Hamburgo de sua gente e de sua hospitalidade.

Não por ser gremista, mas por ter um pouco de minha vida vivido nessa terra torci muito no último domingo pelo "Nóia".

Quando o Grêmio foi derrotado, confesso que não senti a derrota, foi um misto de indignação por saber que jogadores de um lado ganham milhões e do outro um misto de orgulho por saber que na querida terra de Novo Hamburgo aquela família que tão bem me acolheu há espetaculares 30 anos atrás deviam estar vibrando.

Saudades...saudades...


Covidômetro - Florianópolis
IPTU São José - 2021
Governo do Estado - Juntos somos mais fortes
Rech Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro