Lê Notícias - - Fecam rachada?; Executivos vão para enfrentamento;...
Close Menu

Busque por Palavra Chave

Fecam rachada?; Executivos vão para enfrentamento; Joares Ponticelli fica; Indiferença e política; O MDB tem fartura para 2022

Por: Marcos Schettini
08/02/2021 13:56
Divulgação

O dilema do MDB para 2022

Os ulyssistas são o único coletivo partidário com riquezas de nomes para oferecer na composição do ano que vem. A liderança de Dário Berger volta a crescer com o tropeço de Baleia Rossi no cenário nacional. Carlos Chiodini, o fiel deputado federal que acompanhou a investida do presidente do partido, sai tranquilo porque, justamente por não ser oportunista pelo antídoto que manteve sua fidelidade partidária, fica imune das emendas fáceis para trocar o voto. O parlamentar saiu ileso e perdeu uma eleição em pé, diferente daqueles que ganharam ajoelhados. Ganha altura para ser o próximo presidente da sigla. Se isso não ocorrer, deve sair. Neste caso, o senador de São José, Antídio Lunelli e Celso Maldaner, candidatíssimo a governador, vão travar uma guerra interna. A convenção vai dizer muito e, mais que isso, as prévias em setembro. Tempo de um ano para dizer qual o caminho a seguir. Napoleão Bernardes, hoje liderando a indicação pelo PSD, já senta à mesa. Destas conversas, muito em construção.


ENFRENTAMENTO

Um cenário de guerra deverá marcar a próxima reunião da Fecam que, pelas iniciativas dos executivos das associações, vão gerar um tremendo desconforto interno. Acusações de todas as ordens, ocorrendo desde 2018, incendiou frituras internas.


CALMARIA

O presidente Clenilton Pereira entra com o extintor, mas iniciativas das antigas presidências, tentadas em acertos desta e daquela ala, colocou um abismo na entidade. O prefeito de Araquari vai fazer um chamamento para apaziguar o quase impossível.


DESCONFORTO

Se as chamadas executivas das associações estão armando uma manifestação pública, inclusive em Nota Oficial, é exatamente o que Clenilton Pereira quer evitar, o osso exposto na vértebra da entidade. Se acontecer, a Fecam explode.


ATAQUES

Este e aquele grupo acusa tudo. Queima de quadros competência, direcionamento em licitações, abrigo comissionado, negociata em compra de vacinação, que é negado pelos quadros. Um diz que foi quebra de vícios e mamadas antigas, outros que a entidade virou um leilão.


PROBLEMA

Diante deste enfrentamento interno, justamente agora na pandemia, o que não pode ocorrer é ruptura de grupo colocando em xeque os alcances a serem buscados. Se há tropeços, piora a situação. Clenilton Pereira vai ter muito trabalho nestes três meses.


COMPROMISSO

Esperidião Amin foi o primeiro a ligar para Joares Ponticelli quando confirmou sua reeleição em Tubarão. Reafirmou o compromisso de dar oportunidade majoritária ao prefeito na disputa de 2022. Se isso ficou claro, o marido de Angela Amin está fora do jogo.


DESENHO

Com esta abertura de Esperidião, Joares vai correr o Estado e produzir o efeito do seu nome. Como é da mesma região e município de Carlos Moisés, o prefeito de Tubarão não pode contar com Altair Silva na soma. Como secretário da Agricultura, deve fidelidade ao governador. Ou seja, reeleição.


BATERIA

A escola de samba Unidos pelo Oeste, com Mauro de Nadal, presidindo a Alesc, Altair Silva na Agricultura, Eron Giordani na Casa Civil e Gigante Buligon no Desenvolvimento, o projeto de reeleição de Carlos Moisés desenha. Falta o Norte e Sul.


REELEIÇÃO

Não há nada de mais Carlos Moisés pisar neste desejo. Se tem quem está descontente, avalia fazer parte do jogo. Vai ter que passar pela pandemia com competência e encontrar os 33 milhões. Só nisso, já é a barbearia do diabo. E nem começou o debate.


REAÇÃO

Não somente pinçar quadros para dentro do governo, Carlos Moisés precisa ganhar protagonismo. Este ano, além das visitas aos municípios, garantir vacinação total, colocar o Estado no debate nacional. A oposição, agora descobriu isso, atira pesado.


CERTÍSSIMO

A Mesa, plenário da Alesc e governo, jogam amarrados como em outros tempos. A identificação mútua, suplanta a oposição inexistente. Vai ser interessante ver Silvio Dreveck, e com razão, tecer comentários positivos ao governador. Isso diz muito dos tempos de isolamento que viveu.


REAL

Se há algo que deixa uma liderança indignada, roendo os dedos e com insônia, é o esquecimento de sua existência. Ser visto com indiferença e desacreditado. Neste caso, quando isso ocorre, é porque já não tem mais o controle do debate. Foi isso que quase matou Carlos Moisés.


DUPLA

Provavelmente as discussões entre Antonio Ceron e Raimundo Colombo já estão sendo desenhadas para disputarem a estadual e federal. O prefeito de Lages e o ex-governador olham o futuro neste espaço. Juliano Polese, vice pelo Progressistas, se prepara.


TRAÇADO

O interesse de Raimundo Colombo pilotar o PSD vai na direção de construir sua presença na majoritária se entendendo com o Progressistas no Estado. São chapa comum na maioria dos municípios de SC. Colombo sabe que, sua saída do grupo principal, fragiliza sua liderança.



Governo de SC
Prefeitura de Chapecó
Semasa Itajaí
PALHOÇA
Unochapecó
Prefeitura Floripa Junho
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro