Lê Notícias - - Artigo | Negar as conquistas e disfarçar as deficiências
Close Menu

Busque por Palavra Chave

Artigo | Negar as conquistas e disfarçar as deficiências

Por: LÊ NOTÍCIAS
22/02/2021 22:23
Divulgação

Por Vinicius Lummertz*

Precisamos refundar o Brasil, defendeu em artigo na Folha de São Paulo o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Paulo Solmucci, no artigo “Lição de Tóquio para São Paulo e o Brasil” (9.fev.21). Concordamos. Seus argumentos, contudo, beiram a ingenuidade intelectual, colocando a categoria que representa próxima ao populismo.

Rasa, a proposta de refundação do país usa como parâmetro as diferenças de gestão da crise da Covid-19 entre o governador João Doria (PDSB-SP) e a governadora de Tóquio (Japão), Yuriko Koike. Perde o fôlego, logo de início, ao elencar aspectos culturais, legais e econômicos dos dois países.

Por uma questão de delicadeza e respeito, não avaliaremos o trabalho da governadora Yuriko Koike. São Paulo e Japão têm uma história secular de amizade que não se presta ao uso amesquinhado.

Desde o início da pandemia o estado de São Paulo se mantém firme e coerente, com decisões baseadas na ciência. O foco é preservar vidas, evitar o colapso e voltar ao normal.

São Paulo investiu nas soluções mais racionais e possíveis. Nove de cada dez vacinas contra a Covid-19 aplicadas no Brasil saem do Instituto Butantan. Para os negacionistas isso não tem valor, o que expõe a inaptidão e irresponsabilidade dos argumentos. A preocupação com a autossuficiência vacinal sequer foi lembrada pelo presidente da Abrasel.

Diferente do aventado, as atividades econômicas foram preservadas ao máximo, considerando, sempre, suas peculiaridades e riscos. Indústria e construção civil, por exemplo, não pararam.

Outras, com maior interação humana, tiveram restrições parciais, momentâneas e necessárias, revistas sempre que fosse seguro. Bares e restaurantes, em grande parte, estão funcionando até as 22h, resultado da última revisão.

A gestão cuidadosa, incluindo o acompanhamento de perto das atividades econômicas, tem se mostrado correta, salvado vidas e apresentado resultados. Enquanto se prevê uma queda de mais de 4% no Produto Interno Bruto do Brasil, em São Paulo a expectativa é de crescimento de 0,3% no fechamento de 2020. No segundo semestre do ano passado, o estado empreendeu uma reforma administrativa, modernizou sua máquina e se preparou para investir e voltar a crescer em 2021.

Os palpites do presidente da Abrasel revelam sua verdadeira intenção: fazer proselitismo político com as dificuldades de quem tem a obrigação de decidir com responsabilidade. Sobre o aumento de impostos, trata-se da diminuição temporária de benefícios, parte de um esforço coletivo para mantermos a saúde e o dinamismo econômico para a retomada do desenvolvimento.

Se o estado se sair mal, prejudica todo o Brasil. Não é o que está acontecendo. Os hospitais paulistas têm pacientes de todo o país, as vacinas se espalham e existe diálogo com as entidades representativas. Desde o início da pandemia, construímos protocolos e negociamos pacotes de ajuda.

São Paulo busca fazer a sua parte. Fomos o maior repassador de crédito em linhas federais emergenciais do Brasil. Como se vê, ao querer ser crítico, o presidente da Abrasel não é sequer construtivo. Feitos os contrapontos, o que sobra é um panfleto.

*Secretário de Turismo do estado de São Paulo, ex-ministro do Turismo (2018, governo Temer) e ex-presidente da Embratur (2015-18)

** Publicado originalmente na Folha de S. Paulo em 21.fev.2021 às 23h15


Governo de SC
Prefeitura de Chapecó
Semasa Itajaí
PALHOÇA
Unochapecó
Prefeitura Floripa Junho
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro