Close Menu

Busque por Palavra Chave

Prefeito de Xanxerê defende fechar tudo em SC e no Brasil

Por: Marcos Schettini
02/03/2021 14:48
Reprodução/Facebook

O prefeito de Xanxerê, Oscar Martarello, soltou o verbo hoje na hora do almoço e, em uma conversa exclusiva com o jornalista Marcos Schettini, revelou que Xanxerê encontra-se em uma situação de total colapso da rede hospitalar.

Martarello mencionou que é preciso entender o atual momento e pediu sensibilidade das pessoas para que seja feito um lockdown imediatamente para salvar quantas vidas forem necessárias.

“Sempre fui contra, mas agora é preciso sensibilidade e fechar tudo. Até pensamos em amenizar nossas medidas na próxima semana, mas não há tempo para isso. Ou fecha tudo agora, ou teremos a maior carnificina da nossa história”.

Sem os exageros antes observado, o prefeito de Xanxerê apela para que Chapecó faça o mesmo e todos os municípios do Oeste. “Se não fizer, vamos ter que contratar caminhão com câmara fria para colocar os corpos”, disse.

Ele disse ainda que precisa de médicos, psicólogos, enfermeiros e agentes de saúde para trabalho imediatamente. “Estamos na iminência de uma explosão. Vamos reunir o MP e nossos conselheiros para tomada imediata de uma ação conjunta. Peço para que todos os prefeitos tomam a mesma iniciativa e sigamos protegendo as pessoas. Vai morrer muita gente”.

O que se espera, segundo as autoridades de Xanxerê, “é que o governador Carlos Moisés abrace imediatamente esta causa”, disse o líder municipal.

O Hospital Regional São Paulo, em Xanxerê, acaba de emitir uma Nota Oficial com relato desesperador da diretoria. Confira:


COMUNICADO: Chegamos ao colapso

A Direção Técnica e Administrativa do Hospital Regional São Paulo (HRSP) informa à população que está em colapso. Não há mais espaço físico, estrutura e pessoal para atender a grande demanda e que cresce diariamente. Estamos com nossa unidade 100% lotada em todos os ambientes, tanto na UTI Geral, UTI Neonatal, internação, Ala Covid, mas especialmente na Emergência, que hoje (terça-feira, 02, está com 35 pacientes, destes, 20 entubados, aguardando transferência para leitos de UTI Covid). Estamos vivendo o pior momento desde o início da pandemia da Covid-19. Não iremos viver uma catástrofe, já estamos nela.

O hospital fez desdobramentos e aumentos para atender a demanda. Mas mesmo assim, a situação está em colapso. Não tem mais possibilidade para receber mais pacientes que necessitem de ventilação mecânica ou suporte de oxigênio. Estamos com pacientes graves, acomodados em poltronas ou em espaços improvisados, pois já se esgotou toda a estrutura física para atendimento. É muito preocupante pois são pacientes graves e que necessitariam de uma atenção especializada e que não deveriam estar aguardando por um leito, na Emergência do hospital.

É nossa realidade nesse momento, o colapso não é eminente, ele está em curso. Estamos prestes a não poder mais receber pacientes e que eles terão que aguardar do lado de fora do hospital, pois não temos mais espaço físico, equipamentos e ambiente para atender nossos pacientes, mesmo com os equipamentos recebidos recentemente do Governo Federal e Estadual. Estamos em um momento tão crítico, que será melhor para o paciente ficar aguardando atendimento dentro de uma ambulância do que dentro dos espaços da unidade hospitalar, o paciente terá mais suporte e recursos dentro da ambulância. Seria uma imprudência retirar o paciente do suporte que está recebendo na ambulância, com o aporte dos equipamentos de uma UTI Móvel e dos profissionais para atender esse paciente, do que receber ele no hospital.

Os profissionais estão esgotados, existe falta de insumos, tecnologias, materiais e equipamentos. Em tempos normais, uma equipe (composta por médico, enfermeira, fisioterapeuta e técnicos de enfermagem) atende cerca de 10 pacientes, hoje, nesse momento “de guerra” não conseguimos contar quantos pacientes cada equipe está atendendo por turno de trabalho.

É o caos. É o limite. Do jeito que está, as equipes estão fazendo o que é possível, dentro do alcance e do que está disponível. Alcançamos o máximo das nossas possibilidades. Vamos começar a perder vidas de muitos pacientes. A comunidade precisa estar preparada. E não vai ser por falha de atendimento, vai ser por falta de acesso ao serviço de saúde que está lotado.


Rech Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro