Close Menu

Busque por Palavra Chave

GRANDE PERDA

Prejuízos na agricultura chegam a R$ 19 milhões na região de Chapecó

Por: LÊ NOTÍCIAS
08/06/2017 17:08 - Atualizado em 08/06/2017 17:13
Perdas de hortaliças e legumes chegam a 60% (Foto: Arquivo/LÊ) Perdas de hortaliças e legumes chegam a 60% (Foto: Arquivo/LÊ)

As intensas chuvas acumulam prejuízos na produção agropecuária na área de abrangência da Agência de Desenvolvimento Regional – Chapecó. Segundo estimativas da Gerência de Políticas Econômicas Rurais e Urbanas e Epagri, as perdas imediatas chegam a R$ 19 milhões.

O acumulado de chuva nos últimos 30 dias na região de Chapecó chega a 700 milímetros, o volume equivale a três meses ou mais de chuva na média histórica da região. O gerente Regional de Políticas Econômicas Rurais e Urbanas, Mauro Zandavalli, avalia que o acumulado e quantidades de dias com chuva têm consequências imediatas e futuras, já que a incidência solar é fundamental na produção. “O levantamento dos prejuízos será encaminhado ao governo do Estado para tomar as medidas possíveis e cabíveis”, afirma Zandavalli.

De acordo com o levantamento, a cultura mais afetada é do feijão, foram plantados cerca de 2500 hectares, a perda dessa produção é de aproximadamente 80%, o que representa prejuízo estimado em R$ 15 milhões. A lavoura de soja do plantio tardio teve perda de aproximadamente 40%, cerca de R$ 4 milhões em prejuízos.

Os reflexos na produção de leite estão sendo avaliados, as perdas chegam a 15% e os custos aumentam com o uso de alimentos alternativos, que seriam utilizados apenas no período intenso de inverno quando os pastos estão mais escassos. “Constatamos que haverá diminuição da produção, aumento de custo e reflexos diretos para o produtor e consumidor. Iremos sentir os impactos maiores nos próximos meses, o excesso de chuva comprometeu o plantio de pastagens”, analisa Zandavalli.

A safra de milho tardio deve registrar perdas superiores a 20%, “a cultura é mais resistente, já que existe a proteção da espiga pela palha, as áreas ainda estão em início de colheita”, explica o gerente. A chuva também deve atrasar o plantio do trigo.

Fruticultura e olericultura

Na olericultura - que abrange as hortaliças e legumes, na forma convencional de plantio (a céu aberto) as perdas chegam a 60%, “isso terá reflexo ao consumidor, pois fica impossibilitado o replantio”, afirma. Na olericultura protegida já é percebida a redução da qualidade e aumento de custos em função da umidade. A fruticultura apresenta perdas de aproximadamente 15% nos citrus, ocasionada pela queda dos frutos maduros.


Outras Notícias
Palhoça Você em Dia - Mobile
Alesc - Julho
Radial Julho
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro