Close Menu

Busque por Palavra Chave

Investimentos Criciúma

Roesler dá três dias para que denunciantes se manifestem no impeachment de Moisés

TJSC Roesler pediu se há interesse na produção dos elementos de prova requeridos após a sessão que decidiu pela admissibilidade da denúncia Roesler pediu se há interesse na produção dos elementos de prova requeridos após a sessão que decidiu pela admissibilidade da denúncia

O presidente do Tribunal de Justiça de Santa Catarina e do Tribunal Especial de Julgamento, desembargador Ricardo Roesler, concedeu prazo de três dias para que os denunciantes no processo de impeachment movido contra o governador Carlos Moisés da Silva manifestem se há efetivo interesse na produção dos elementos de prova requeridos após a sessão que decidiu pela admissibilidade da denúncia. O motivo da decisão é evitar a produção de provas desnecessárias, já constantes do processo ou sem relação com o objeto do julgamento. Além de propiciar mais celeridade, a medida visa evitar possíveis nulidades ao assegurar a ampla defesa e o contraditório.

Por isso, caso seja reafirmado o interesse, os denunciantes deverão apresentar justificativa vinculando o requerimento ao objeto da acusação, nos termos em que foi recebida pelo Tribunal Especial de Julgamento. Passados os três dias, com ou sem manifestação dos denunciantes, será garantido o mesmo prazo para que o denunciado reafirme seu interesse e justifique de igual forma a pertinência e a vinculação dos seus requerimentos.

A decisão foi publicada nesta sexta-feira (09), no Diário da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc). Em sua fundamentação, Roesler apontou que a acusação deduziu a produção de provas que, em princípio, prestam-se a identificar o trânsito do processo administrativo de aquisição dos respiradores pulmonares, que compõe o largo documental levantado pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na fase de investigação parlamentar. Além disso, anotou o presidente, procura-se reprisar provas, a exemplo da oitiva de uma testemunha já ouvida pelos membros da CPI, entre tantas outras sem a identificação de algum critério de eleição.

Desse modo, conforme exposto na decisão, é imprescindível que a acusação diga se de fato pretende a produção dessas provas, caso em que deverá demonstrar a conexão dos requerimentos com o objeto do libelo acusatório. A mesma situação foi observada nos requerimentos da defesa. Além de não se vislumbrar relação imediata com os termos da acusação, há outros requerimentos, como a juntada da transcrição de diálogos de grupos de conversas de que o denunciado não participa, que não se referem ao objeto da acusação. Após as manifestações de denunciantes e denunciados, os autos serão conclusos para a presidência. Então, o presidente Ricardo Roesler poderá avaliar a definição de uma data para a sessão de julgamento com a maior celeridade possível.


Outras Notícias
Alesc - Julho
Investimentos Criciúma
Fiesc Setembro
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro