Close Menu

Busque por Palavra Chave

Vieses e consensos | Ataques covardes à advocacia e à Defensoria Pública

Por: Ralf Zimmer Junior
29/06/2021 10:57 - Atualizado em 29/06/2021 10:59
Divulgação

Ultimamente se tem observado ataques totalmente covardes à Defensoria Pública e à Advocacia Dativa, fruto da ignorância das leis que a regem ou má-fé mesmo.

Setores da mídia “boca alugada” a serviço de patrocinadores escusos ou ignorantes mesmo?

A Defensoria Pública tem por dever atender direitos individuais, coletivos e difusos daqueles ditos vulneráveis, a rigor, sem capacidade financeira para contratar Advogado privado para lhes defender.

Evidente, tal qual a Advocacia Dativa o faz onde não alcança os serviços da Defensoria, ou a Advocacia privada mesmo por quem à paga, que muitas vezes a Defensoria vai ter de defender quem violou as leis e que será considerado culpado ao final de um processo.

Sim, defendemos tanto acusados que ao fim e ao cabo podem ser inocentados, ou vencer uma ação possessória, como podem vir a ser condenados ou perder dita ação, sendo então tachados pela sociedade de bandido e/ou invasor.

Agora, daí a dizer que a Defensoria Pública ou Dativa é puxadinho de alguma ideologia ou partido, seja de esquerda ou de direita, é desconhecer não só as Leis que a regem como seus membros, quem vos fala, por exemplo, é Defensor Público e Advogado (com as anotações de impedimento privado de estilo por se dedicar à Defensoria Pública) com inclinação à direita na economia (liberalismo) e ao conservadorismo nos costumes, e convive profissionalmente sim (respeitando como deve ser) com alguns colegas inclinados mais ao centro ou à esquerda ou sem inclinação política alguma (como todos os grupos sociais é variável a composição ideológica da Instituição).

Portanto, antes de julgar a Defensoria ou a Dativa, ou até mesmo a advocacia privada, por ações isoladas fruto do cumprimento do dever de defesa, lembre-se de duas coisas básicas, se não tiveres imbuído de má-fé, quem julga é o juiz, e, sim, advogados e defensores muitas vezes defendem, por imperativo legal, acusados de crimes ou de invasões, não porque queiramos ou por ideologia, mas por imperativo legal, tal qual (o dito imperativo legal) assegura muitas aposentadorias controvertidas em Santa Catarina por se tratar de “direito adquirido”.

Em suma, infelizmente nem a Advocacia Privada está longe de ataques indevidos, vejam que famoso criminalista em Santa Catarina logrou comprovar a inocência (presunção de inocência é só para prova de concurso ou para político no STF, a rigor, na prática?) de seu cliente em processo tumultuado de repercussão nacional, e está a sofrer ataques como “culpado” fosse da acusação não prosperar por setores inclinados “às esquerdas”.

Nem tanto ao céu, nem tanto à terra, deixem ideologias políticas de esquerda e de direita de lado e respeitem os profissionais da defesa. Cobrem de quem faz as leis e de quem julgam os processos, se não fores tu mesmo o cliente da advocacia ou assistido da defensoria, afora isso é ignorância ou má-fé!

Atire a primeira pedra quem nunca precisou de um advogado ou defensor público, e lembre que um dia poderás precisar!


Alesc - Outubro - Mobile
Uniedu - Governo SC
Floripa - Um novo amanhã - Mobile
Essenciais de Verão
Sorria Palhoça - Mobile
Criança com Visão - Mobile
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro