Close Menu

Busque por Palavra Chave

Guarujá - SP - Mobile

Agroindústria catarinense empenhada na solução para escassez de milho

Por: LÊ NOTÍCIAS
12/07/2021 10:01
Secom Estiagem afetou o suprimento de milho, além de fatores sanitários e mercadológicos Estiagem afetou o suprimento de milho, além de fatores sanitários e mercadológicos

O suprimento de milho para as cadeias produtivas da avicultura e da suinocultura industrial, em Santa Catarina, está se tornando um problema cada vez mais complexo. O déficit desse grão foi perigosamente agravado neste ano por fatores climáticos, sanitários e mercadológicos.

O Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados no Estado de Santa Catarina (Sindicarne) e a Associação Catarinense de Avicultura (Acav) estão participando – ao lado da Associação Brasileira da Proteína Animal (ABPA) – dos esforços para a busca de uma solução. A crise de escassez desse insumo ameaça as agroindústrias e milhares de criadores de aves e suínos do sistema integrado de produção.

Inicialmente a seca, depois as geadas destruíram parte das lavouras. A praga da cigarrinha dizimou parte do plantio. As exportações maciças de milho enxugaram o mercado interno. A conjugação desses três fatores tornou o milho escasso e extremamente caro: mais de R$ 100 a saca de 60 kg.

O problema é comum ao extremo sul: Santa Catarina tem um déficit anual de quase 5 milhões de toneladas de milho e, o Rio Grande do Sul, igualmente, importa 4 milhões de toneladas/ano, o que representa uma demanda de 9 milhões de toneladas que os dois estados sulinos precisam buscar em outros mercados, do País ou do exterior.

Os presidentes do Sindicarne, José Antônio Ribas Júnior e da Acav, Ricardo Castellar de Faria apontam que a redução dessa dependência e a queda de custos de produção de aves, suínos e gado leiteiro estão entre as prioridades dos criadores e das agroindústrias de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. Entre as soluções em curso estão as novas cultivares de cereais de inverno no Sul do País, com incentivo os produtores rurais a investirem no plantio de trigo, triticale, centeio, aveia e cevada.

Engajados nesse esforço estão Sindicarne, Acav, Faesc, Farsul, Secretaria da Agricultura e a Embrapa das Unidades de Concórdia (SC) e Passo Fundo (RS). Enquanto a Embrapa Trigo trabalha no desenvolvimento das cultivares de cereais de inverno, a Embrapa Suínos e Aves analisa o uso desse material na alimentação de suínos e aves. O objetivo é seguir o exemplo de outros países e encontrar o sucessor deste grão, como a Inglaterra, que tem uma variedade de trigo especialmente para rações de animais.

As entidades acreditam que o projeto envolvendo os dois estados será a solução para esse grave problema. Santa Catarina tem limites territoriais, mas o Rio Grande do Sul tem imensa potencialidade territorial. O RS planta 6 milhões de hectares de soja, mas no inverno semeia apenas 1,1 milhão de hectares de trigo, que é o cereal de inverno. O produtor gaúcho, com o apoio de tecnologias oferecidas pela Embrapa, poderá cultivar mais 5 milhões de hectares com culturas de inverno e, assim, suprir as demandas dos dois estados do extremo sul brasileiro.

Ribas e Faria mostram que a logística do grão impacta no crescimento. O Paraná – que tem milho em abundância – praticamente dobrou a sua suinocultura e avicultura nos últimos anos, enquanto RS e SC não avançaram por falta do insumo. A solução é otimizar o cultivo das terras férteis gaúchas. Com engajamento das lideranças do agro dos dois estados e com a participação da agroindústria nacional, que é parceira desse programa, teremos em médio prazo uma solução.

Em SC foi criado o Projeto de Incentivo ao Plantio de Cereais de Inverno Destinados à Produção de Grãos, que subvenciona 50% do valor das sementes de cereais de inverno destinadas à fabricação de ração. A Secretaria da Agricultura está investindo R$ 5 milhões para incentivar o cultivo de cereais de inverno. Com o projeto, os produtores receberão uma subvenção de R$ 250 por hectare efetivamente plantado com trigo, triticale, centeio, aveia e cevada, em um limite de 10 hectares por agricultor. A intenção é ampliar em 20 mil hectares a área cultivada em todo o estado na safra 2020/2021.

SOLUÇÕES

Em consistente documento encaminhado ao Governo Federal, as entidades do agronegócio apresentaram sete propostas de medidas emergenciais e de curto prazo para evitar que a indústria de processamento de carnes do Brasil entre em colapso.

O conjunto de medidas inclui a viabilização emergencial das importações de milho e de soja estritamente para uso em ração animal; a suspensão do imposto Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante (AFRMM) sobre a importação destes insumos de países não-integrantes do Mercosul; e a suspensão temporária de cobrança de PIS e Cofins para importações provenientes de países extra-Mercosul, para empresas que não conseguem realizar Drawback. Igualmente, a suspensão temporária de cobrança de PIS e Cofins sobre os fretes realizados no mercado interno.

Outras propostas são a criação de sistema oficial de informação antecipada sobre exportações futuras de grãos, para dar mais transparência ao mercado de insumos; financiamento para construção de armazéns e realização de armazenagem para os produtos, dando mais estabilidade ao mercado; e a adoção de políticas de incentivo de plantio de milho e de cereais de inverno no Brasil.

Sindicarne e Acav entendem que todas as medidas são necessárias e fundamentais, lembrando que, apesar da pandemia e das incertezas políticas e fiscais, a economia brasileira deve crescer mais de 5% este ano, de acordo com projeções de várias consultorias e instituições. Mais uma vez, a agricultura e o agronegócio – em razão da combinação de alta dos preços de commodities e de expansão do comércio mundial – darão uma sustentação mínima à atividade econômica no Brasil em 2021.


Outras Notícias
Alesc - Outubro - Mobile
Fiesc Outubro - Mobile
Zagonel - Outubro - Mobile
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro