Close Menu

Busque por Palavra Chave

Guarujá - SP - Mobile

Artigo | Infraestrutura deficiente destrói a competitividade catarinense

Por: LÊ NOTÍCIAS
04/08/2021 11:12

Por José Antônio Ribas Júnior*

Em uma economia de escala, os ganhos de produtividade se contam em miligramas, em segundos, em centímetros – enfim, em medidas infinitesimais que refletem o aumento contínuo da eficiência produtiva em várias fases do processo. Na suinocultura e na avicultura industrial, duas imensas e avançadíssimas cadeias produtivas, todas as etapas da produção agregam método e tecnologia, do campo ao frigorífico, dos centros de distribuição aos mercados de consumo, dentro e fora do País. Mas uma deficiência excluída do alcance das empresas destrói todos os ganhos – a infraestrutura.

O mundo aprendeu a admirar essas duas cadeias produtivas como paradigmas de desenvolvimento tecnológico, mas o que o mundo desconhece é que as péssimas condições das estradas devoram a eficiência. Levar todas as matérias-primas para milhares de estabelecimentos rurais e, depois, apanhar os produtos (aves, suínos, leite, grãos, frutas etc.) prontos para processamento nas agroindústrias é uma operação penosa e cara porque as estradas vicinais vivem, de regra, em mau estado de conservação.

Depois de processados, transportar os produtos acabados para os portos ou para os centros de consumo é outra operação igualmente custosa. Dez em cada dez agentes econômicos concordam que a recuperação das rodovias vicinais, intermunicipais, estaduais e federais é fator essencial e urgente para proteger a competitividade das empresas catarinenses e, em especial, para o agronegócio.

Em Santa Catarina estamos próximos de um apagão logístico em face do péssimo estado do sistema viário. As más condições das rodovias encarecem em até 40% o transporte, retirando dos produtores rurais e das indústrias a competitividade para disputar os mercados nacional e internacional. Recentes estudos do Instituto de Pesquisas Rodoviárias (IPR) revelam que o péssimo estado de conservação da rede viária resulta em até 58% de acréscimo do consumo de combustível, 40% de aumento no custo operacional dos veículos (como pneus e mecânica), 50% na elevação do índice de acidentes e 100% de acréscimo no tempo de viagem. Publicações técnicas internacionais apontam que para cada US$ 1 não aplicado em manutenção corretiva e conservação da rodovia, é necessária a aplicação de US$ 3 a US$ 4 na restauração.

Estudo da Federação das Indústrias apontou que nas áreas de produção agropecuária (oeste, extremo oeste e região do Contestado) a situação dos 1.265 km de rodovias estaduais ali existentes é de precariedade. No oeste e extremo oeste foram avaliadas as SCs 155, 480, 305, 160, 161, 163, 386, 283 e 154. No Contestado foram analisadas as SCs 350, 135, 150, 355, 465, 464, 452 e 120. As rodovias federais BR-282, BR-163 e BR-158 também estão esgotadas e em más condições de conservação. Acrescente-se a BR-470 – que interliga a BR-282 (e o grande oeste) com a BR-101 e os portos catarinenses – que reclama duplicação, pois está exaurida em sua capacidade de escoamento.

Os governos federal e catarinense precisam investir valores muito superiores ao despendido nos últimos dois anos e meio. O estudo da Fiesc destaca ainda que é necessário investir cerca de R$ 210 milhões por ano para manter a malha estadual. Esse valor representa 1% do patrimônio rodoviário catarinense, avaliado em R$ 21 bilhões. Santa Catarina tem cerca de 6 mil km de rodovias estaduais. Em meados de junho, o governo catarinense informou que investiu R$ 93 milhões na recuperação e restauração de rodovias estaduais, desde o início da atual gestão. O valor é de aproximadamente R$ 37,2 milhões por ano, muito aquém do ideal recomendado.

As condições em que se encontram as rodovias catarinenses compõe uma face do chamado “custo Brasil”, refletindo uma situação que impregna e vergasta todas as atividades porque impõe baixa produtividade, lentidão, excessiva burocracia, supercentralização, gigantismo e gargalos.

Defender o sistema agroindustrial catarinense é defender empregos, riquezas e tributos. As indústrias da proteína animal representam 31% do PIB estadual, respondem por 70% das exportações, sustentam diretamente o emprego de 60 mil catarinenses e, indiretamente, 480 mil trabalhadores. No campo, são mais de 66 mil propriedades rurais integradas, gerando matéria-prima para o abate de 34 mil suínos/dia e de mais de 3 milhões de aves/dia. As vendas externas catarinenses responderam pela exportação de 57% do total de carne suína que o Brasil enviou ao exterior e por 28% das exportações brasileiras de aves.

Obter esses resultados com as condições de infraestrutura que Santa Catarina ostenta é um milagre.

*Presidente do Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados no Estado de Santa Catarina (Sindicarne)


Alesc - Julho
Fiesc Setembro
Zagonel
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro