Close Menu

Busque por Palavra Chave

Li, Vi e Ouvi | Autenticidade, patrimônio e visitas

Por: João Lamarque de Almeida
21/07/2017 10:52 - Atualizado em 01/07/2020 11:19

Autenticidade

Diz o Talmud que três coisas podem mostrar o que um homem é: sua taça quando transborda, sua bolsa quando está cheia e a sua ira. Isto é, quando uma pessoa de fato se mostra. Quando a taça transborda, que é quando a pessoa bebe e fica um pouco acima do que seria aceitável na sua racionalidade, o álcool a perturba de alguma maneira. Há pessoas que dizem que quando bebem ficam fora de si. Não é verdade, algumas ficam dentro de si, pois aí é que elas se mostram como são. A segunda coisa é quando a bolsa está cheia, quando a pessoa tem recurso, tem dinheiro, nós notamos o que ela realmente faz com o que tem. Se partilha, se pratica a fraternidade ou se é egoísta. E, por último, quando ela manifesta sua ira.

Patrimônio

O Patrimônio Cultural Imaterial ou Intangível compreende as expressões de vida e tradições que comunidades, grupos e indivíduos em todas as partes do mundo recebem de seus ancestrais e passam seus conhecimentos a seus descendentes. No Brasil, estavam inscritos na Lista Representativa do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. As expressões orais e gráficas dos wajapis e o Samba de Roda do Recôncavo Baiano, 2008. Yaokwa, ritual do povo enawene nawe para a manutenção da ordem social e cósmica, chamada pública de projetos do Programa Nacional do Patrimônio Imaterial e o Museu Vivo do Fandango, projetos para salvaguarda do patrimônio imaterial, 2011; Frevo; arte do espetáculo do carnaval de Recife, PE, 2012; Círio de Nazaré: procissão da imagem de Nossa Senhora de Nazaré na cidade de Belém, PA, 2013, e Roda de Capoeira, 2014, na Bahia.

Visitas

Pode ser impressão minha, mas tenho notado que hoje em dia se visitam menos do que tempos atrás. A rotina acelerada que a vida impõe provavelmente seja uma causa. Há trabalho, estudo, cuidado da casa, buscar filhos na escola, uma infinidade de atividades que fazem o tempo voar. Outro fator é o individualismo, pois a mentalidade atual privilegia muito aquilo que é particular, individual. O avanço dos meios de comunicação também pode ser um dos responsáveis por este fenômeno. Eles facilitam o contato, mas também podem levar ao comodismo. Cada um prefere ficar no seu canto, para não incomodar e nem ser incomodado. De qualquer maneira, é uma pena que as pessoas estejam deixando de lado este bom hábito de fazer visitas.

Pensamento

“Tudo quando aumenta a liberdade aumenta a responsabilidade.” (Victor Hugo)


Covidômetro - Florianópolis
IPTU São José - 2021
Rech Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro