Close Menu

Busque por Palavra Chave

Artigo | O que você sabe sobre Adoção? Conhece os meios legais para adotar? É de seu conhecimento que uma mãe pode entregar voluntariamente e legalmente seu filho para a adoção, garantindo seus direitos?

Por: LÊ NOTÍCIAS
25/05/2022 16:29 - Atualizado em 25/05/2022 16:29

Por Adriane Cristina Pongan[1], Kelen Butzge[2], Marciana Fabris[3]

Hoje é o Dia Nacional da Adoção, e este é um momento importante para conversarmos sobre esses assuntos. Em Santa Catarina há, atualmente, 247 crianças e adolescentes aptos à adoção, e 3.175 pretendentes habilitados para adotar.

Mas então, por que ainda há crianças para serem adotadas se o número de pretendentes é maior?

O principal motivo é o perfil da criança escolhida pelas pessoas que desejam adotar, em comparação às crianças que estão disponíveis para a adoção. A grande maioria das crianças e adolescentes disponíveis para a

adoção fazem parte de grupos de irmãos, possuem intercorrências de saúde e principalmente contam com idade superior à desejada pela maioria dos pretendentes.

Quero adotar, como faço?

O primeiro passo é procurar a Vara da Infância e Juventude no Fórum da Comarca onde reside. O processo não necessita de advogado, é totalmente gratuito, envolve a participação em curso de preparação à adoção, apresentação de documentos e realização de estudo social e psicológico.

Após concluídas todas as etapas, sendo o pretendente considerado apto, será incluído nos Sistemas Informatizados, podendo decidir sobre a abrangência deste cadastro no território nacional.

O tempo na fila de espera está diretamente relacionado ao perfil da criança desejada, pois quanto mais restrito for este perfil, maior será o tempo de espera pela chegada da criança.

Esse cadastro é a única maneira legal e segura de adotar, pois se uma criança e adolescente for entregue diretamente pelos pais biológicos para um terceiro, tem-se a chamada Adoção à Brasileira, que é ilegal, e se o terceiro registrar a criança em seu nome, estará cometendo crime.

Afinal, se não posso ou não desejo ficar com o meu filho, posso entregar à adoção?

Sim, é possível entregar legalmente seu filho para a adoção, procurando o Fórum da sua cidade.

A gestante tem o direito de entregar seu filho à adoção, despido o ato de qualquer julgamento e preconceito. A manifestação desse desejo pode ocorrer desde o período da gestação, logo após, e até mesmo no hospital, comunicando a equipe do Poder Judiciário, que estará preparada para o acolhimento, garantindo um espaço de escuta e reflexão, assegurando-se que a mulher e a criança terão todos os seus direitos respeitados.

A entrega legal perante o Judiciário não constitui crime e não é considerada abandono, ao contrário da entrega direta a um terceiro, que poderá ter implicações legais para quem entrega e para quem recebe a criança, pois favorece situações como tráfico de pessoas, chantagens emocionais e financeiras, crimes, dentre outros problemas futuros.

Realizada a entrega legal e procedimentos judiciais, a criança será encaminhada para pretendentes devidamente habilitados, de acordo com o perfil e ordem de antiguidade, mantendo-se o sigilo.

Todas as crianças e adolescentes que estão no serviço de acolhimento institucional (abrigo) podem ser adotadas?

A resposta é não. Algumas crianças e adolescentes estão no abrigo provisoriamente, ao passo que a família está sendo trabalhada para superar as situações de vulnerabilidade, que culminaram no acolhimento, visando à reinserção da criança no seio familiar, em condições seguras.

Outras, porém, já passaram por todo o processo judicial, e não sendo superada a situação de risco na família de origem, e não havendo familiares aptos para exercerem a guarda, são, efetivamente, colocadas à adoção nas famílias cadastradas.

A entrega legal e a adoção são atos de amor e responsabilidade.

[1] Oficial da Infância e Juventude no Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Pós-Graduada em Direitos Fundamentais da Família, Criança e Adolescente.

[2] Assistente Social no Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Pós-Graduada em Acolhimento Institucional e Familiar.

[3] Juíza de Direito da 1ª Vara da Comarca de Xaxim, Tribunal de Justiça de Santa Catarina.


OktoberFest
CORAÇÃO DE SC
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro