Close Menu

Busque por Palavra Chave

Foz do Chapecó afirma que barragem foi projetada para suportar a pior cheia em 10 mil anos

Por: LÊ NOTÍCIAS
30/08/2017 17:03
Foz do Chapecó localizada entre os municípios de Alpestre (RS) e Águas do Chapecó (Foto: Divulgação/LÊ) Foz do Chapecó localizada entre os municípios de Alpestre (RS) e Águas do Chapecó (Foto: Divulgação/LÊ)

O prefeito em exercício de Chapecó, Élio Cella, recebeu em audiência nesta quarta-feira (30) o diretor da Foz do Chapecó Energia S.A., Otávio Luiz Rennó Grilo, o diretor de Relações Institucionais e o supervisor Sócioambiental, Claudimir Luis Turmena. Na oportunidade, o prefeito recebeu documento sobre as condições da hidrelétrica Foz do Chapecó.

Diz o documento:

“A Foz do Chapecó Energia (FCE), na condição de concessionária da hidrelétrica Foz do Chapecó, localizada entre os municípios de Alpestre (RS) e Águas do Chapecó (SC), dirige-se às autoridades para esclarecer notícias veiculadas pela imprensa sobre o empreendimento nos últimos dias.

A barragem da Usina Foz do Chapecó não apresenta riscos à segurança das comunidades, dos colaboradores que trabalham no local e à sua operação, critério fundamental do empreendimento. A FCE realiza trabalhos periódicos de análise e monitoramento, desenvolvidos por especialistas, de modo a oferecer as condições adequadas de segurança da barragem, segundo a legislação vigente.

Após a forte cheia de 2014, a maior nos últimos 25 anos e a primeira relevante desde o início da operação da usina, a FCE realizou alguns reparos e contratou consultor técnico independente, que não apontou riscos imediatos à segurança da barragem.

Na ocasião, a cheia provocou a queda parcial de um muro remanescente da época da construção da usina, utilizado exclusivamente para ensecar o trecho do rio onde as obras foram realizadas. Hoje, este muro não tem mais qualquer função – e nunca teve função estrutural – e não traz riscos à segurança da população e da hidrelétrica. Vale ressaltar que o relatório do consultor, em 2014, não apontou a necessidade de remoção da parte remanescente do muro.

Posteriormente, a FCE, no intuito de oferecer segurança e qualidade técnica máximas, contratou uma junta de consultores independentes e de alta qualificação nas especialidades hidráulica, estrutural e de mecânica dos solos, para avaliar possíveis melhorias na usina. A junta, baseada em visitas e inspeções técnicas e documentação do projeto da usina, também concluiu não ter havido comprometimento à segurança da barragem e recomendou melhorias.

Com base nas recomendações da junta, o Consórcio Construtor Volta Grande (CVG), responsável técnico pela construção da usina e que detém o seu acervo técnico, concluiu a maior parte das obras previstas. Desta forma, a FCE tomou – e continua tomando – as providências necessárias para preservar a segurança do empreendimento, independentemente da questão de custo, que está em discussão separada e em fórum jurídico adequado.

Em maio de 2017, uma nova cheia gerou fissuras no muro remanescente citado acima. A junta de consultores da FCE e o CVG realizaram análises adicionais sobre o muro e concluíram pela sua remoção, visando evitar a necessidade de manutenções futuras, e não por questões estruturais. A retirada do muro será iniciada em setembro, fato este já comunicado às autoridades locais. Vale ressaltar mais uma vez que este muro não tem qualquer função estrutural e sua remoção não traz risco à segurança da usina e da barragem.

Importante esclarecer que a junta de consultores técnicos da FCE está permanentemente auxiliando a administração da concessionária na identificação e recomendação de melhorias que contribuam para tornar a hidrelétrica cada vez mais segura para as comunidades e para sua própria operação. A FCE mantém constante diálogo com o CVG para que essas melhorias sejam realizadas, caso sejam necessárias.

Sensível à importância da usina para as comunidades do seu entorno, a FCE se adiantou e esclareceu às prefeituras, promotorias públicas, órgãos reguladores e demais autoridades sobre as obras de melhoria executadas nos últimos meses. A FCE tem se mantido em contato permanente com os públicos envolvidos para prestar esclarecimentos adicionais.

Desta forma, conforme as ações mencionadas anteriormente demonstra-se que a segurança das comunidades próximas à usina, bem como de seus colaboradores, é uma prioridade da FCE. Foram e continuam sendo tomadas as providências necessárias à segurança operativa do empreendimento, as quais são comunicadas aos órgãos de controle. A barragem está de acordo com rígidos padrões de segurança de operação e legislação vigentes, tendo sido projetada para suportar a pior cheia decamilenar (10 mil anos) do Rio Uruguai.

A FCE dispõe das devidas licenças ambientais e de operação do empreendimento, além de adotar práticas de operação e gestão que superam as exigências da legislação. Um exemplo disso é a realização de inspeções semestrais, enquanto a lei estabelece a necessidade de uma inspeção por ano. Outra boa prática adotada é a de inspeções específicas em momentos extraordinários, como grandes cheias, medida não prevista na lei.

Assim, reforçamos o fato de que a barragem não apresenta riscos à segurança das comunidades e continua em plena operação. A FCE permanece à disposição para quaisquer novos esclarecimentos.”


Outras Notícias
Palhoça Você em Dia - Mobile
Alesc - Julho
Radial Julho
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro