Close Menu

Busque por Palavra Chave

Transparência Criciúma

Setembro Amarelo: você pode salvar uma vida

Por: Gustavo de Miranda
13/09/2017 14:42

Durante o mês de setembro, o país se movimenta pela campanha Setembro Amarelo, que busca chamar atenção para o suicídio e instigar o debate sobre isso.

A Organização Mundial da Saúde conta que cerca de 90% dos suicídios poderiam ter sido evitados, por isso a importância de discutir o tema e abordá-lo sem os habituais tabus aplicados com o tempo pela ignorância, até porque o diálogo é a melhor forma de combater essa atitude, pois pode convencer a possível vítima a desistir e procurar tratamento para o que lhe estiver despertando essa ideia.

De todos, o direito à vida é o mais importante para o ordenamento jurídico, sendo garantido pela Constituição, no artigo 5º, como um direito indisponível, ou seja, do qual a pessoa não pode abrir mão. O Código Penal proíbe qualquer atentado contra a vida, tendo um capítulo que a protege por meio de cinco crimes: homicídio, participação em suicídio, infanticídio, feminicídio e aborto.

A tentativa de suicídio e o suicídio consumado não são considerados assim, porque seria juridicamente impossível punir alguém que já está morto, e no caso da tentativa, o melhor é que a pessoa seja submetida a um tratamento psiquiátrico.

O Código Penal tem atenção aos que participam moral ou materialmente do suicídio de alguém. Está lá: “Art. 122 – Induzir ou instigar alguém a suicidar-se ou prestar-lhe auxílio para que o faça: Pena – reclusão, de dois a seis anos, se o suicídio se consuma; ou reclusão, de um a três anos, se da tentativa de suicídio resulta lesão corporal de natureza grave. Parágrafo único – A pena é duplicada: I – se o crime é praticado por motivo egoístico; II – se a vítima é menor ou tem diminuída, por qualquer causa, a capacidade de resistência”.

Entende-se por “induzir” quem persuadir, convencer ou mesmo colocar a ideia de suicídio na cabeça de alguém fragilizado por algum motivo. Por “instigar” se entende o incentivo, a provocação de quem ponderou a possibilidade ou já tomou a decisão. Essas participações são diferentes de “prestar auxílio”, que seria ajudar a viabilizar o suicídio materialmente, o que manifestamente é bem mais grave. Aliás, quem participar dessa forma e a pessoa consuma o suicídio ou tentativa der errado levando o agente a lesão corporal grave, é considerado crime doloso contra a vida, equiparado a homicídio.

É cotidiana, infelizmente, a realidade do suicídio. Depressão, solidão, repreensão, discriminação, enfim, são fatores que podem se intensificar a ponto de fazer a pessoa cogitar tirar a vida. E não é coisa de fresco nem de fraco, é coisa de falta de atenção, falta de respeito, de educação, de ignorância de uma sociedade que até ontem acreditava em Boitatá.

Preste atenção, ajude, converse. Pode salvar uma vida.


Transparência Criciúma 2
Anúncio Radial 2
Palhoça Parques
Rech Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro