Close Menu

Busque por Palavra Chave

Papo Justo | Quem explica a dor da perda?

Por: Diego Barbiero
28/03/2018 10:36 - Atualizado em 28/03/2018 13:21

Poucos meses permanecerão negativamente marcados, na nossa memória, como esse mês de março de 2018. Vidas destruídas, sonhos arruinados, planejamentos rasgados e uma dor que, parece, nunca terá fim. Honrosos Policiais Militares, jovens com um futuro brilhante pela frente, famílias que se deslocavam de uma cidade a outra...Tudo isso têm sido abruptamente interrompido por ASSASSINATOS: às vezes brutais, às vezes banais, às vezes no trânsito (a ânsia de chegar mais cedo parece mais importante que o resguardo da vida do próximo – e da própria vida)...

Até quando o desvalor ao maior dos direitos da humanidade – A VIDA! – permanecerá em foco em nosso país?

Março, faça um favor: vá embora! Permita-nos ao menos sonhar com um lugar melhor a partir da Páscoa da Ressureição...

A crise republicana é grave...As leis são levianas, estão completamente desatualizadas (grande parte das penas não sofre modificação desde 1940), os investimentos em setores essenciais à PREVENÇÃO à criminalidade (EDUCAÇÃO, CULTURA E ASSISTÊNCIA SOCIAL!!!!) são BAIXÍSSIMOS...Os crimes violentos ocorrem todos os dias, cada vez com mais frequência, e as penitenciárias não param de encher...

E qual é a solução que se tem apresentado ou se buscado apresentar?

Senhores Deputados, Senadores, Ministros de Estado...Presidente(a) da República! Ouçam o brado retumbante de um povo heroico que CANSOU da violência, da dor, da desesperança...Antecipação de cumprimento de pena, progressão de regime, remições, indultos e tantos outros institutos criados para “reduzir” a população carcerária NÃO PROTEGEM A POPULAÇÃO!

E quem explica, depois, aos familiares, a dor da perda?


Covidômetro - Florianópolis
IPTU São José - 2021
Governo do Estado - Juntos somos mais fortes
Prefeitura de Palhoça - IPTU
Rech Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro