Close Menu

Busque por Palavra Chave

Lula perde novamente; Brasil ferve ideologia de classes; PT mergulha em crise; Ademir Arnon no Duas Perguntas

Por: Marcos Schettini
05/04/2018 07:16

Rompendo a represa

O resultado apresentado ontem pelo STF, tem duas interpretações conhecidas. A primeira é que a era PT no poder se distancia à velocidade dos erros. A segunda é que, o processo contra Lula da Silva, alegado como um traçado político de perseguição à liderança constatada, não ganha mais eco na sociedade que, ao ver o rito de negação do HC, se negou a ir às ruas defender seu líder. O projeto esfarelado não somente ganha novos desfechos políticos em SC e no Brasil, mas em toda a América Latina. Chega ao fim um líder com todas as qualidades que a esquerda sonhou e com o final sonhado pela direita. Sendo assim, independente do placar esticado ou apertado, a tabela aponta que tudo na vida, como se sabe, tem começo, meio e fim. Se pegou no ex-presidente da República, o maior cargo do país, fica mais fácil para seguir em frente e, como uma represa estourada, afogue todos os que se beneficiaram da inocência do povo brasileiro.


Qual é o desafio que o jornalista tem para exercer a profissão com o atual momento do Brasil?

Primeiramente, eu diria que o principal desafio é se adaptar às transformações que impactam diretamente a profissão de jornalista, com o advento das novas tecnologias e das redes sociais, que afetaram sobremaneira os meios de comunicação tradicionais, limitando ainda mais o nosso já combalido mercado de trabalho. Em segundo lugar, penso que o clima de total intolerância, de forte polarização ideológica e a disseminação das chamadas “fake news” exigem do jornalista de hoje não só um olhar mais acurado sobre os fatos, mas acima de tudo serenidade, ética e muita responsabilidade na divulgação de notícias.

O que é imparcialidade em tempos de dúvidas e fake news?

É o principal ativo para aqueles que pretendem praticar o bom jornalismo, pautado na ética, na transparência e no firme compromisso de bem informar a sociedade. Não há bem maior para um jornalista do que a sua credibilidade, esta que é uma das principais virtudes da nossa profissão, que torna diferenciado o trabalho realizado por um jornalista e por um veículo de comunicação em relação à enxurrada de lixo virtual que circula diariamente no mundo inteiro pela internet.


Tempos

O que o Supremo apontou ontem à noite com a votação do HC de Lula da Silva, mostrou que o país está vivendo um momento diferente do que se pensava em tempos não distantes. A decisão em favor da prisão em 2ª instância, muda tudo.

Enfraquecimento

Com mais esta queda de Lula da Silva, o PT é cercado para ser deixado para trás da história. Um partido que entrou pela frente e sai pela porta dos fundos. Não conseguiu manter o ideal pregado capaz de tornar sua base soldados de sustentação.

Recado

Independente eixo militar, inclusive mandando recado de tomada do poder caso desse placar favorável a Lula, ficou evidente que a mídia e das redes sociais, influenciaram as decisões dos ministros nos dois lados. A eleição de outubro é a próxima.

Rota

As esquerdas tinham em Lula da Silva o farol para clarear seu retorno ao poder. Sem esta possibilidade, terão que buscar a via menos dolorosa que, neste caso, se encaminha a um entendimento com Ciro Gomes e Fernando Haddad.

Reação

O exército de setores conservadores defendendo enfrentamento contra as correntes marxistas pró luta de classes, como MST, por exemplo, vão querer mostrar força. Lula agora é passado. O foco, agora, é MST e sindicalismo da CUT.

Derrota

As sequências de quedas que a esquerda tem levado ao longo dos últimos dois anos, desde a eleição municipal, expôs uma vontade popular que, independente de Lula da Silva ontem, o eleitor não quer mais corrupção e esquesdismo.

Quem

Se Lula da Silva for para a prisão como ficou confirmado com a negação do Habeas Corpus ontem pelo Supremo, o que o PT vai mobilizar em favor de seu projeto de poder se, claramente, ninguém foi em massa às ruas defender seu nome?

Acabou

A esquerda, se não entendeu o final melancólico e destrutivo a que chegou, isto é, a corrupção que corroeu seus sonhos identificada nas teias do Poder nestes últimos 16 anos, perdeu o poder e o Brasil. O povo, ontem, calou-se.

Consequências

O PT de SC, com o resultado de ontem, viveu o final de sua luz. Se antes chegar ao poder de SC, com Lula da Silva mandando no país, não conseguiu, agora zerou. Se encostar em Gelson Merisio, para encostar na Casa d’Agronômica, contamina.

Mais

O setor econômico de Chapecó, embora a escalada de apoios que Gelson Merisio tem conquistado, vai cobrar do possível nome do PSD, mesmo em 2º turno, ligação eleitoral em relação ao PT. Ontem, no Supremo, o recado expande.

Passarela

Os deputados do PT em Florianópolis já preparam discurso para levar à Tribuna para explicar o desatino em que vivem diante deste tempo de completa escuridão a que estão passando neste corredor polonês a qual criaram com o MDB.

Algozes

O inicial deste círculo fechado, ontem, com o placar anti habeas corpus que o Supremo manteve para levar Lula da Silva ao 2º encarceramento de sua vida, político ou não, teve o calvário de largada com Roberto Jefferson e Temer foi a cereja do bolo.

Posicionamento

Deputado Marco Tebaldi foi um dos 70 parlamentares que liderou pedido assinado junto ao STF para que fosse negado HC a Lula da Silva, garantindo a prisão em segunda instância. Ficou satisfeito com o resultado.



Covidômetro - Florianópolis
IPTU São José - 2021
Rech Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro