Close Menu

Busque por Palavra Chave

Investimentos Criciúma

Governo estadual monitora consequências de paralisação dos caminhoneiros

 As ações para minimizar os efeitos estão se concentrando no Cigerd, em Florianópolis (Foto Júlio Cavalheiro/Secom) As ações para minimizar os efeitos estão se concentrando no Cigerd, em Florianópolis (Foto Júlio Cavalheiro/Secom)

Órgãos do governo estadual, como a Polícia Militar, a Secretaria de Agricultura e a Defesa Civil, monitoram desde a terça-feira (212, as consequências em Santa Catarina da paralisação nacional dos caminhoneiros. No Estado, há pontos de bloqueio em rodovias estaduais e federais. As ações para minimizar os efeitos na população estão se concentrando no Centro Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres de Santa Catarina (Cigerd), inaugurado na semana passada, na região continental de Florianópolis.

“Viemos um momento de dificuldade no Brasil todo e aqui em Santa Catarina. Isso está trazendo consequências, intranquilidade e problemas para a população catarinense. Mas nós não estamos parados, estamos acompanhando todos os passos desse movimento. Tem um comitê de crise que está se reunindo desde terça-feira à noite para, dentro do possível, minimizar as situações criadas. Estive em Brasília hoje conversando com autoridades federais para mostrar a importância de encaminharmos soluções rápidas”, disse o governador, acrescentando que espera um desfecho rápido da situação, que envolve o governo federal.

PRIORIDADES

De acordo com o secretário-adjunto da Defesa Civil, coronel Fabiano de Souza, a prioridade do governo estadual é mitigar o reflexo da paralisação em serviços essenciais à população. Ele cita ainda que os prejuízos econômicos também são um fator importante, mas que não devem ser colocados à frente das necessidades dos catarinenses.

No campo da agropecuária, a principal preocupação está em garantir a biossegurança do Estado, com a garantia do bem-estar animal. Aproximadamente, 60% do PIB agropecuário catarinense vêm da produção de proteína de origem animal e leite.

“A biossegurança é o foco principal das nossas preocupações. Queremos enviar qualquer problema que coloque em risco a sanidade do nosso rebanho”, afirma o secretário de Agricultura e Pesca, Airton Spies.


Outras Notícias
Alesc - Julho
Investimentos Criciúma
Fiesc Setembro
Blumenau pronta para crescer
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro