Close Menu

Busque por Palavra Chave

Amin nega o óbvio; PSDB reitera a cabeça; Cinco candidaturas?; Raimundo Colombo leve para o Senado; Vicente Caropreso no Duas Perguntas

Por: Marcos Schettini
16/07/2018 22:15

Raimundo Colombo limpo muda tudo

Embora Antonio Gavazzoni, igualmente inocente nas acusações feitas pelo Odebrecht, quem sai com os dividendos eleitorais neste momento de asfixia de sua busca por votos, é o ex-governador. Deram a ele uma dentro. Depois de escorregar em uma série de equívocos, procurando salvar um mandato para conseguir proteção da Tribuna, fica livre para decidir o caminho a seguir. Pode manter seu nome ao Senado ou, mais tranquilo, inclinar-se à Câmara. Nada ruim para quem queria muito a imunidade. Como livre se encontra, pode ser, agora, o porta-voz de Gelson Merisio, que até o momento negou. Redime-se com o partido, atrai o parceiro para um entendimento pré-estabelecido em agosto do ano passado e, ganha o respeito perdido pela sequência de golpes que teria desferido contra seu presidente de partido. Ganhou a graça que, partidariamente, pode dividir igualmente.


Sua candidatura é voltada à Saúde. Qual é a equação perfeita para dar ao cidadão o atendimento merecido?

A Medicina é a minha vida, são quase 40 anos... O trabalho na política tem muito em comum com isso. A diferença é que na Medicina você trata um paciente de cada vez; enquanto na política você trabalha em uma escala muito maior, com saúde pública, onde cada decisão afeta milhares e milhões de pessoas. O principal problema do SUS é a falta de recursos para cobrir demandas cada vez maiores. Além disso, a má distribuição de recursos dentro da própria saúde catarinense formou feudos e corporações, privilegiando alguns poucos e penalizando muitas regiões. Isto vai ter que ser enfrentado. Não é fácil tirar facilidades das pessoas. Umas recebem tudo do Estado e outras têm que penar para receber o mínimo. A falta de autonomia orçamentária da Secretaria da Saúde, dentro do Governo, também interfere diretamente. Ela cria dificuldades para a gestão da Saúde, que exige agilidade e eficiência no atendimento. O secretário fica esperando o recurso oficial que não chega... Quanto às políticas de saúde a modificar, não tenho dúvidas, é a da Regionalização da Saúde com eficiência nos Consórcios Intermunicipais. Talvez assim possamos reduzir muito as filas, motivo maior de desgaste perante o cidadão.

Em sua campanha para reeleição o que tem sentido junto ao eleitor?

Estamos vivendo um momento no país de desilusão com a política, o que é natural em face de tantas denúncias. Como não sou visto como político profissional, tenho sido recebido com alegria e reconhecimento pelas pessoas em toda parte. Todos sabem que me empenho muito naquilo que faço. O meu trabalho é servir e ajudar. Meu lema há muitos anos é “saúde não tem legenda”, é uma vocação, é um compromisso, que trato com seriedade e comprometimento.


Confirmação

O presidente do PSDB carimbou a informação dada pelo Satélite das investidas feitas pelo deputado Esperidião Amin sobre o ninho tucano, inclusive com ideal de dissolvição do diretório para, nesta lógica, apoiar Geraldo Alckmin em SC.

Óbvio

Não poderia o deputado do Progressistas ter outra postura que negar, sem pudor, a iniciativa sobre os tucanos. Repassa a responsabilidade ao responsável pelo Satélite de modo insistente. Mesmo que Marcos Vieira reconheça.

Negação

Faz parte do jogo político. O ex-governador é titular experimentado e, por saber mexer com a desenvoltura que marca sua carreira, arremessa a responsabilidade de suas movimentações, àquele que forma a opinião limpa e reconhecida.

Visitação

À medida que ensaiava ir à reunião de ontem dos tucanos, justamente para afirmar sua inocência das movimentações subliminares, Esperidião faz um mea-culpa no terreno por ele bombardeado. Como aquele que mata e vai ao enterro.

Certo

O ex-governador do Progressistas está correto em suas manifestações e, à medida que desconversa as mexidas de sombras, empurra o equívoco político em direção aos ombros alheio mais fácil. À toa não são os tropeços percebidos de 2002 em diante.

Firmeza

Os tucanos tiraram dividendos do episódio de uma possível intervenção da Executiva Nacional em SC. Marcos Vieira soube, confirma o que o Satélite noticiou e, do limão, fez a limonada. O partido sai na cabeça. Quem quiser que acompanhe.

Palavra

Amin desmentiu a informação do Satélite e sai por cima. Na trajetória que construiu ao longo de sua vida, foi o verbo que, em vários momentos, separou-o do grupo que lhe concedeu o poder. JKB e Konder Reis, em seu tempo, que o digam.

Fartura

O PSDB está confirmando um leque de deputados federais, 20 em várias regiões, e 40 nomes para estadual. As digitais de Marcos Vieira, nestes tempos de construção do partido, foram fundamentais para atingir o teto de respeito em que se encontra.

Gongo

Não existe nenhum acerto fixo que, desde agora, tenha a certeza de sua existência plena e irredutível. Esperidião pode, tranquilamente, não sair ao lado do PSD, ir para a disputa e chegar ao 2º turno. Ou, do nada, voltar para a construção de GM.

Tese

O cenário atual dá luz às construções isoladas de que PT, PSDB e MDB vão ter seus candidatos. Gelson Merisio é o nome do PSD. Falta a confirmação de Esperidião Amin representando o Progressistas e qual deles, neste jogo, Raimundo Colombo abraça.



Palhoça Você em Dia - Mobile
Alesc - Julho
Radial Julho
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro