Lê Notícias - - Da imprensa, que se foram
Close Menu

Busque por Palavra Chave

Da imprensa, que se foram

Por: LÊ NOTÍCIAS
08/12/2016 10:26 - Atualizado em 08/12/2016 10:27
(Foto: Divulgação/LÊ) (Foto: Divulgação/LÊ)

Por Hugo Paulo Gandolfi de Oliveira

Jornalista e professor universitário

Com as perdas do esporte, na tragédia da Chapecoense na Colômbia também a imprensa perdeu vidas. Foram-se 22 jornalistas, radialistas, produtores, técnicos, da imprensa local, regional, estadual e nacional. Como as perdas do esporte, eles também têm sido reverenciados nas condolências e lembrados nas homenagens.

Da Colômbia - terra que tem dado as mais belas lições de solidariedade a partir de Medellín -, de um colombiano também jornalista, e um dos maiores escritores que o mundo teve, há um texto que serve como homenagem aos que se foram da imprensa, e ao jornalismo que se mostra, nesta tragédia, em sua missão.

Escreveu Gabriel García Marquez: “Jornalismo é uma paixão insaciável que só se pode digerir e humanizar mediante a confrontação descarnada com a realidade. Quem não sofreu essa servidão que se alimenta dos imprevistos da vida, não pode imaginá-la. Quem não viveu a palpitação sobrenatural da notícia, o orgasmo do furo, a demolição moral do fracasso, não pode sequer conceber o que são. Ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir numa profissão tão incompreensível e voraz, cuja obra termina depois de cada notícia - como se fora para sempre - mas que não concede um instante de paz enquanto não torna a começar, com mais ardor do que nunca, no minuto seguinte”.

Esse é um dos textos das conversas da primeira aula em que recepciono, há 17 anos, no curso de Jornalismo da Unochapecó, cada uma das turmas com as quais começo a partilhar. Entre as perdas, estão os ex-alunos: Cleberson Silva e Gilberto Pace Thomaz (assessoria da Chapecoense); Douglas Dorneles (Rádio Chapecó), Gelson Galiotto (Rádio Super Condá); e Renan Agnolin (Rádio Oeste Capital, RIC TV Record e Voz do Oeste).

A homenagem também para: Fernando Doesse/Schardong (Rádio Chapecó e Voz do Oeste); Edson Luiz/Picolé (Rádio Super Condá); Jacir Biavatti (Rádio Vang FM); Giovane Klein (RBS TV Chapecó); Bruno Silva (RBS TV Florianópolis); Djalma Araújo Neto (RBS TV Florianópolis); André Podiacki (Diário Catarinense); Ari de Araújo Júnior, Guilherme Marques e Guilherme Laars (Globo); Laion Espíndula (Globo Esporte, setorista da Chapecoense); Deva Pascovicci, Lilácio Pereira Júnior, Mário Sérgio, Paulo Clement, Rodrigo Santana Gonçalves e Victorino Chermont (FOX Sports).

Todos eles jogavam o jogo da imprensa, entre o time e a torcida, entre os jogadores e os leitores, os ouvintes, os telespectadores. No jogo da profissão, nos dribles da vida e nos tentos de cada um, a imprensa se mostra imprescindível à sociedade cada vez mais. Basta vermos como ficamos sabendo dos detalhes da tragédia, com emoção, lágrimas, solidariedade, dos que são informados e dos que informam.

Assim como são homenageados os mortos do esporte, também se reverenciam os mortos da imprensa, e nas palavras de um colombiano está a homenagem a todos os 22 da imprensa que se foram, mas que ficam nos registros jornalísticos e permanecem em cada registro que fizeram para a história. Porque Jornalismo é contar histórias, e contar bem. Até porque, sem ele, a História seria mais pobre, os fatos não se multiplicariam, depois de cada pauta, para informar a cada cidadão, com toda a voracidade da notícia, em todos os momentos.





Governo de SC
Prefeitura de Chapecó
Semasa Itajaí
PALHOÇA
Unochapecó
Prefeitura Floripa Junho
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro