Close Menu

Busque por Palavra Chave

Piracanjuba - Mobile

“Nosso projeto é coletivo, em defesa da classe trabalhadora”, garante Adrianinho

Por: Axe Schettini
19/09/2018 15:27 - Atualizado em 19/09/2018 15:29
Axe Schettini/LÊ Adriano de Martini é candidato a deputado estadual e esteve concedendo entrevista ao LÊ NOTÍCIAS nesta terça-feira (18) Adriano de Martini é candidato a deputado estadual e esteve concedendo entrevista ao LÊ NOTÍCIAS nesta terça-feira (18)

Vereador mais votado em Xanxerê em 2016, com 1.360 votos, Adriano de Martini foi presidente da Câmara e assumiu a prefeitura interinamente, sendo o prefeito mais jovem da história de Xanxerê. Aos 32 anos, se candidata a deputado estadual pelo Partido dos Trabalhadores. Em entrevista concedida ao LÊ NOTÍCIAS, Adrianinho defendeu sua juventude na Alesc, enalteceu a candidatura de Décio Lima ao Governo do Estado e afirmou que Fernando Haddad é o nome que representa a classe trabalhadora no Brasil. Confira:


LÊ NOTÍCIAS: O que incentivou o senhor a buscar uma vaga na Assembleia Legislativa?

Adrianinho: Toda nossa trajetória de vida foi baseada no serviço à comunidade, desde na Pastoral da Juventude, onde iniciamos a militância, no Sindicato dos Empregados do Comércio, no qual estou no segundo mandato na presidência, e na Câmara de Vereadores de Xanxerê. É por isso, que com a experiência no Legislativo, assumindo a presidência, e na prefeitura, onde estivemos de forma interina, construímos a possibilidade para representar os trabalhadores de Santa Catarina. Nossa candidatura é construída por muitas mãos, não é um projeto pessoal, mas sim um projeto coletivo, em defesa da classe trabalhadora. No atual cenário, precisamos de representantes que tenham lado, posição e firmeza nas decisões que serão tomadas em benefício ou não dos trabalhadores. Nós temos esse lado e por isso nos colocamos à disposição para buscar, tanto no nível nacional quanto estadual, um projeto popular e coletivo.

LÊ NOTÍCIAS: Quais projetos o senhor deve defender caso seja eleito?

Adrianinho: Pautamo-nos em quatro grandes eixos de trabalho. O primeiro é a defesa incondicional da classe trabalhadora, criando e despertando a consciência de classe para lutar pela garantia e efetivação dos direitos desta classe. O segundo é em defesa da agricultura familiar, pois nosso estado tem 30% da economia advinda da agricultura familiar, mas investe muito pouco, ou quase nada. Precisamos que o Estado fortaleça e dê condições para que nossos agricultores continuem produzindo para gerar renda e retorno aos municípios, para também para produzir nossos alimentos, pois 70% do que consumimos vem da agricultura familiar. O terceiro eixo é defender o debate nas politicas públicas da juventude, superando a violência e a criminalidade, onde os jovens são os mais atingidos. Nós precisamos fazer o quê? Dar arma ao cidadão? Não! Precisamos investir em políticas públicas. Em educação, que é o principal foco, lutando pela garantia do artigo 170, para que continue com o orçamento anterior. Dar condições para que o jovem tenha acesso ao primeiro e renda, tendo uma boa expectativa com o projeto “Meu Primeiro Emprego” do Governo Décio Lima. Trabalhar também as questões do esporte, cultura e lazer, como forma de prevenção e incentivo para que a juventude apresente suas potencialidades. Nós apresentamos esse novo modelo de fazer política, não estando atrelado a essa velha política, arcaica e viciosa. Temos ideias novas, sem amarras e desvinculadas ao grande capital. Nosso quarto eixo é em defesa dos pequenos municípios, que é onde os problemas acontecem. Os municípios estão sendo sufocados, porque há, cada vez mais, menos recursos e mais problemas. Então precisamos rever o papel do Estado e da União em relação aos municípios, e como deputado estadual da nossa região da Amai, vamos ter possibilidade de trazer para cá mais políticas públicas. Compreendemos o papel do legislador, que é também fiscalizar o executivo, mas com a força política vamos buscar trazer mais benefícios para nossa região.

LÊ NOTÍCIAS: Qual é a expectativa do PT com a candidatura de Décio Lima ao Governo do Estado?

Adrianinho: O povo está cansado do modelo que governou Santa Catarina historicamente, mais especialmente nos últimos 16 anos, que imprimiu um jeito de governar que não corresponde mais com a realidade do Estado. Se construiu um processo de descentralização, que não cumprem seu papel, gastando cerca de R$ 600 milhões com ADR’s, com retorno mínimo aos municípios. Se construiu um estado onde R$ 26 bilhões do orçamento, R$ 6 bilhões são dados em benefícios e incentivos fiscais para um grupo de grandes empresas, enquanto a maioria do Estado, as micro e pequenas empresas e os trabalhadores não têm nenhum incentivo para gerar emprego. Para quem este Estado está a serviço, para um pequeno grupo ou para maioria do povo? Por isso acredito que a candidatura de Décio Lima, que foi um excelente prefeito de Blumenau por duas gestões, e de Kiko Oliveira, que governou São Domingos também por duas oportunidades, dão renovação na política, para governar de uma nova maneira, combatendo as desigualdades, colocando o Estado à disposição de todos os catarinenses. Não se dá para admitir um Estado que se diz a Suíça do Brasil, tenha tamanha desigualdade. Se compararmos o IDH da região do Contestado com o agreste brasileiro, temos índices menores. São questões que precisamos trabalhar, para colocar o Estado fortemente em serviço da população. Por isso o Décio Lima cumpre esse papel histórico neste momento tão importante em Santa Catarina. São 400 mil desempregados, 500 mil exames e cirurgias nas filas, então o Estado não está funcionando mais.

LÊ NOTÍCIAS: Por que o cidadão deve acreditar no projeto de Fernando Haddad?

Adrianinho: Haddad representa Lula, o partido e o projeto da classe trabalhadora. As maiores conquistas dos últimos períodos foram nos governos do Partido dos Trabalhadores. Haddad foi ministro da Educação do Governo Lula, criou o ProUni, dando oportunidade para milhões de jovens ingressarem no Ensino Superior. Construímos universidades públicas, institutos federais, fizemos milhões de residências no “Minha Casa, Minha Vida”, demos condição para agricultura familiar, com inúmeros incentivos. O povo está com saudade, pois há uma diferença muito grande entre os Governos FHC, Lula e Temer. Então Haddad representa esta esperança, da retomada do projeto popular. Nos Governos Lula e Dilma, tínhamos índices extraordinários de emprego e isso não foi um milagre, mas sim fizemos a economia girar, aumentando o poder aquisitivo do trabalhador, com aumento real do salário mínimo, valorizando e estimulando o emprego. O trabalhador com dinheiro no bolso compra no comércio, que vende mais e emprega mais, comprando da indústria, que vai produzir e empregar mais. Isso que o Haddad vem construir novamente, dar dignidade ao trabalhador. Colocando nós de pé no cenário internacional, não de joelhos como está fazendo o Governo Temer. Haddad vai colocar o Brasil nos trilhos novamente.

LÊ NOTÍCIAS: Neste cenário de descrédito político, por que o eleitor deve acreditar no voto?

Adrianinho: Precisamos compreender o papel de Legislativo e Executivo, pois durante muito tempo houve promessas mirabolantes que colocam a classe neste patamar. Precisamos compreender o processo democrático do voto, onde podemos escolher representantes que tenham ideias próximas com as nossas. Devemos pesquisar o histórico dos candidatos, os trabalhos realizados e quais são as propostas, para saber se há viabilidade de se concretizar. Devemos transformar essa democracia representativa em participativa, não somente com o voto, mas fazendo com que o cidadão ajude a decidir e tomar decisões. Não adianta, se não nos envolvermos na política, seremos governador por quem se envolve. Portanto, se o cidadão quer construir o novo, nos colocamos à disposição para fazer um projeto coletivo no Estado e no Brasil.


Outras Notícias
Publicações Legais Mobile
Vederti Mobile
Sicoob Mobile
Rech Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro