Close Menu

Busque por Palavra Chave

A tensão eleitoral; Deputados preocupados com retorno; As manifestações de Pinho Moreira; Rodrigo Minotto no Duas Perguntas

Por: Marcos Schettini
02/10/2018 10:13 - Atualizado em 02/10/2018 10:14

O fantasma de perder o mandato

Ganhar ou perder uma eleição faz parte da disputa. Seria como o padre e o pastor que, perguntando aos fiéis quem quer ir para o céu ficar com Jesus e todos levantam a mão. Hoje? Todos abaixam. Ter mandato faz parte do político. Ele, o suplente, é apenas um dentro de um jogo de sim-sim que, os vitoriosos, podem balizar entre o não que a força da conquista lhe confere. Ser dono do próprio projeto político tira dele a obrigação de dizer sim para tudo. Quem tem mandato negocia o que quiser. Ao contrário do que perdeu o projeto, de pires, sai batendo de porta em porta por um lugar comum dentro do Poder. São estes os fantasmas que rondam os deputados e senadores. Quem entrou ajuda a dividir, quem perdeu, é dividido.


Como tem sentido as necessidades do eleitor?

O eleitor está muito desacreditado da classe política. Mas ao mesmo tempo sabe a necessidade de escolher bons nomes para representá-lo, seja a nível estadual ou federal. Estou muito otimista com essa reta final de campanha, porque conseguimos nos comunicar bem com o cidadão catarinense através da família e dos amigos. A resposta é muito positiva.

Qual são seus desafios para o próximo mandato?

A necessidade de estar cada vez mais conectado com os anseios da população. Neste mandato conseguimos percorrer o Estado algumas vezes buscando sempre ouvir as demandas e, principalmente, prestar atenção ao recado que era repassado. Neste sentido votei a favor dos professores, contra a criação de cargos comissionados do TJSC, e cobrei a extinção das Agências Regionais. Neste próximo mandato queremos aperfeiçoar o trabalho estando cada vez mais próximo do cidadão. O eleitor tem dado esse recado nesta eleição e a gente precisa prestar atenção.




Recado

Gigante Buligon reuniu todo seu pessoal ontem à noite em Chapecó e, falando as diretrizes, desenhou o passo final desta semana que determina a escolha do futuro governador. O prefeito disse o alinhamento melhor para Chapecó.

Desenho

O prefeito de Chapecó pediu não somente alinhamento aos desafios que o tempo exige, mas que é o momento de liberdade e busca do coroamento que a história está oferecendo. Ou seja, é a vez que vê na pessoa de Gelson Merisio.

Afinamento

Mais que uma eleição, Gigante disse-se feliz por ter, como prefeito, a oportunidade de estar à frente do projeto que, pelas afirmações ditas, não é somente o grito de liberdade do Oeste, mas a chance de chegar ao desenvolvimento.

Indignado

Irio Grolli, ligadíssimo ao MDB, protagonista de um questionamento dos bens de Gelson Merisio, afirmou que não tem multa nenhuma e que foi absolvido das acusações de uso da máquina pública para interesse próprio.

Voz

O ex-juiz, ligadíssimo à liderança de Herneus de Nadal, hoje no Tribunal de Contas, nega que tenha usado da máquina. Levado a julgamento, é o nome para tirar o sono do candidato a governador do PSD. Como é do meio, pede credibilidade.

Novelo

A iniciativa de Irio, na busca de saber o que ele quer utilizar como caminho para colocar pedra no sapado de Merisio, tem orientação de cima. Embora sua iniciativa, o pedido veio da Secretaria da Fazenda. Não poderia ser de outro lugar.

Chamamento

Na entrevista do governador Eduardo Pinho Moreira, o nome de Antonio Gavazzoni é mola do debate. Embora fora do confronto, preocupado com o futuro do governo que entrega em dezembro, entrou no jogo para engrossar o caldo.

Fora

Antonio Gavazzoni, homem forte de LHS e Colombo na Fazenda, sabe que as provocações do governador é para atrair a atenção do eleitor para um debate que, se todos sabiam, por que não veio à tona antes. Ou seja, é politicagem.

Mais

O site The Intercept, que elaborou matéria contra o candidato Gelson Merisio, com tantos dados disponíveis, apareceu somente agora na semana da eleição. Se sabia de muito, por que soltou somente agora? Segurou por quê?

Dossiês

O Satélite havia afirmado que a semana seria de material que, como está sendo visto, ataca a pessoa do candidato do PSD. Se der certo, é uma vitória. Errado, vai provocar uma reação dentro da coligação. Até sexta vai escorrer lava eleitoral.

Então

À medida que ataca Gelson Merisio na última semana da eleição do primeiro turno, o clima positivo do coletivo liderado por ele aumentou. Seria a tese de que a motivação do dossiê confirmaria a superioridade da coligação sobre o MDB.

Provocação

Como as internas de cada lado é bem diferente da afirmação de que estão cabeça a cabeça nesta reta final, as mexidas são no sentido de provocar erros. Coordenadores e marqueteiros sabem o que fazer adiante.

Real

A ideia é de que o candidato ao Senado que subir ou cair vai definir seus rumos nos acertos combinados depois do grito das urnas. Quando o tropeço se manifestar, vai gerar a guerra interna. Se tem algo que político não aceita é trocar mandato por aventura.



Covidômetro - Florianópolis - Maio
Rech Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro