Close Menu

Busque por Palavra Chave

Cifra Econômica | CNH vai sofrer mudança, inflação e reforma trabalhista

Por: Daniel Ribeiro
22/12/2016 09:28 - Atualizado em 10/07/2020 11:20

CNH vai sofrer mudança

A mudança é para atender às novas regras do Contran. Segundo informações publicadas no site, a principal alteração é a troca da tinta azul esverdeada da tarja do documento, localizada acima da foto de identificação, para a cor preta. Outra mudança é que no canto superior esquerdo, sob o Brasão da República, a imagem do mapa brasileiro vai ser impressa com uma tinta especial de segurança, evitando falsificação do documento.

Os números do documento poderão ser conferidos com luz ultravioleta e ele inteiro ficará amarelado na nova versão. Além disso, ele vai conter Brasões da República impressos que só poderão ser vistos com luz negra, tal como a holografia da sigla “CNH”, na parte superior. Duas novas informações estarão descritas no documento: o Registro nacional e Número do Espelho da CNH e o número de formulário do Renach (Registro Nacional de Condutores Habilitados).

Segundo o Detran, não será necessário trocar as CNHs atuais que ainda estão no prazo de validade; somente as carteiras solicitadas a partir de janeiro virão com o novo desenho.

Prévia da inflação

O índice de Preços ao Consumidor - Amplo 15 (IPCA-15), considerado uma prévia da inflação oficial, perdeu força de novembro para dezembro, ao passar de 0,26% para 0,19%, segundo informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (21). Foi o menor IPCA-15 para os meses de dezembro desde 1998, quando registrou 0,13%. O IPCA-15 fechou o ano em 6,58%.

Em dezembro do ano passado, o Índice de Preços ao Consumidor - Amplo 15 havia ficado em 1,18%.

Reforma trabalhista

O presidente Michel Temer disse que deverá apresentar a reforma trabalhista ao Congresso e aos contribuintes em janeiro do ano que vem. A previsão foi divulgada em entrevista coletiva nesta quarta-feira, de acordo com a mídia.

Temer falou novamente sobre a proposta de priorizar acordos acima da legislação da CLT, mas não entrou em detalhes sobre a chamada jornada móvel e a contratação por horas trabalhadas. Esses pontos vêm sendo criticados por associações e organizações sociais.

De acordo com o presidente, as negociações têm avançado e devem refletir “praticamente” um “comum acordo entre centrais sindicais e empresários”. O governo fala nessas mudanças como forma de estimular a economia, e deve apresenta-las como uma reforma do Programa de Proteção ao Emprego, criado pelo governo Dilma.


Fecam
OktoberFest
CORAÇÃO DE SC
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro