Close Menu

Busque por Palavra Chave

CONQUISTA

Professor Anderson Tedesco dribla dificuldades do interior e torna-se doutor

Por: LÊ NOTÍCIAS
17/04/2019 16:15 - Atualizado em 17/04/2019 16:55
Divulgação/LÊ Anderson Tedesco ao lado da banca de professores que aprovou, com conceito A, sua tese de doutorado na PUC-PR Anderson Tedesco ao lado da banca de professores que aprovou, com conceito A, sua tese de doutorado na PUC-PR

Por Axe Schettini

Diferente do rumo da maioria dos jovens nascidos no interior, o professor Anderson Tedesco quebrou regras para chegar ao ápice da vida acadêmica. Nascido em Jaborá, no Meio-Oeste, quando jovem tinha as dificuldades de viver em cidade pequena, com poucas oportunidades de estudo e trabalho. Ao se formar no Ensino Fundamental, teve a oportunidade de fazer o Ensino Médio no Colégio dos Camilianos, em Curitiba (PR), onde anos depois, retornaria para buscar o diploma que nem sonhara diante das dificuldades quando criança.

Com a oportunidade de estudar Filosofia na Ordem dos Camilianos em São Paulo (SP), o filho de Reinaldo Tedesco e Ondina Borin Tedesco mergulhou nos estudos da existência humana e se apaixonou pela leitura, conhecendo muitas pessoas de inúmeros lugares do Brasil, inclusive estudantes estrangeiros e expoentes do pensamento como Leo Piccini, tendo a chance de conviver e morar com ele. “Ele trouxe a bioética para o Brasil e muitos outros pensadores da Ordem dos Camilianos. Nós costumávamos cuidar dos enfermos, dos doentes, em hospitais grandes. Nisso tudo, levei-me ao caminho dos estudos. Com a Filosofia, passei a ver o mundo de outra forma, com outras possibilidades”, lembra.

Em entrevista ao LÊ NOTÍCIAS, o professor Anderson Tedesco, que agora tem o título de doutor, contou que após formar-se em Filosofia, teve a oportunidade de fazer um mestrado na Bolívia, mas acabou refutando na época. Retornando então para Jaborá, continuou se dedicando nos estudos da Filosofia e começou a lecionar na pequena cidade do Meio-Oeste. “Eu tenho duas irmãs e um irmão, sendo que uma delas, a Vanice Ferrari, foi minha professora em Jaborá, inclusive me arrumou um emprego de professor. Eu fiquei lá por dois anos e planejava fazer um mestrado, mas só era possível na Unoesc de Joaçaba. Eu fui e passei nas provas, fiz a dissertação, estudando um filósofo brasileiro, o Lima Vaz, tendo a oportunidade de publicar um livro acerca da trajetória dele”, conta.

Já como mestre, Anderson foi convidado para trabalhar no Colégio Luterano Santíssima Trindade, de Joaçaba, e na Unoesc de Xanxerê, onde ficou lecionando por cinco anos. Nesta época, surgiu a oportunidade que mudaria o rumo da sua vida, que era a de fazer o doutorado na Pontifícia Universidade Católica (PUC), em Curitiba.

DOUTORADO

Foi pouco antes desta chance que a vida de Anderson ligou-se com Xaxim, quando conheceu a sua esposa Pâmela Tedesco, que é xaxinense. Com a sintonia municipal, o professor fixou residência na Pequena Queda d’Água e recebeu o convite da professora Ioli Rossatto, então diretora da antiga Celer Faculdades, para coordenar projetos de pesquisa na instituição. “Eu fui convidado para ser coordenador da Pesquisa e me desliguei da Unoesc Xanxerê para ficar somente em Xaxim, trabalhando na Celer e na rede municipal”, lembra.

O doutorado iniciou em 2015, quando Anderson ia semanalmente para Curitiba, conciliando os estudos com os trabalhos acadêmicos na Celer Faculdades. “Foram muitas idas e vindas da capital paranaense. Mas hoje, nada seria possível sem meus pais, agricultores, praticamente analfabetos, que não tiveram oportunidade e sempre me incentivaram. Minha irmã Vanice e minha esposa Pâmela me deram todo incentivo necessário, que se tornava ainda mais forte com presença da minha filha Ana Bella. Meus sogros também, sempre me ajudaram integralmente. Obrigado a todos vocês”, diz Anderson.

O doutorado foi concluído no dia 10 de abril, sendo aprovado com nota A, sob olhar do seu orientador e coordenador do programa de Mestrado em Doutorado da PUC-PR, Jelson Oliveira. Além dele, Anderson teve a presença de quatro professores estudiosos da Filosofia, como José Nicolao Julião, da UFRRJ, um dos maiores conhecedores do pensamento de Nietzsche no Brasil. “A minha tese foi desenvolvida a partir do filósofo alemão Friedrich Nietzsche (1844 - 1900), de uma obra que ele escreveu ‘Assim falou Zaratustra’, sendo a 3ª fase do pensamento do autor. A obra faz uma relação da Educação com a Filosofia”, conta, lembrando também da presença do professor Geraldo Balduíno Horn, coordenador do programa de Mestrado e Doutorado na UFPR, do professor Fausto dos Santos, do programa de Mestrado e Doutorado da Universidade Tuiuti do Paraná e do professor Eduardo Ribeiro da Fonseca, do programa de Mestrado e Doutorado na PUC-PR.

FUTURO

Quanto às expectativas, Anderson, que possui cinco livros publicados, garante que irá continuar escrevendo artigos e pretende se organizar para escrever mais uma obra. “No início do ano que vem, quero fazer um pós-doutorado, ir em diante com os estudos e fazer parte de um programa de Mestrado, atuar como professor pesquisador”, finaliza o professor, que hoje leciona na EBM Dom Bosco e na escola da Vila Diadema, ambas em Xaxim, e que foi convidado para trabalhar no Colégio La Salle, em Xanxerê.


Outras Notícias
Fecam
OktoberFest
CORAÇÃO DE SC
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro