Close Menu

Busque por Palavra Chave

Investimentos Criciúma

Carlos Moisés encantou; Vice e nada; Brizolistas unidos; MP atropelado; Colombo e presidência ou nada

Por: Marcos Schettini
20/05/2019 00:30

Raimundo Colombo precisa de orientação

O então governador de SC não viu, em nenhum momento, a possibilidade de Gelson Merisio chegar a governador. Nunca aceitou isso porque, da ala de Jorge Bornhausen, segue à risca. Foi do ex-governador, pai de Paulinho Bornhausen, berço em que nasceu ele e Júlio Garcia na vida púbica, que tudo começou e termina. JKB não é de assinar papel, apenas a palavra lhe basta. E foi ele, com gestos de estadista, que levou o morador da Coxilha Rica às alturas de comando. Foi assim com LHS. Mesmo cobrando o cabidão das SDRs, ainda presidente do PFL, corroeu tudo e abraçou este modelo de administração responsável por levá-lo ao Senado e, depois, à Casa d’Agronômica duas vezes. Por trás dele, as orientações de quem se pautou pelo exemplo de homem público que está expresso no DNA de Roberta Bornhausen. Se tudo que Colombo fez deu certo no tropeço de Gelson Merisio, de outro, caiu junto. Para conseguir retomar o comando do PSD, vai ter que recorrer ao seu professor e orientador político. O morador da Praia Brava sabe o caminho. Se não for ele para trazer sua liderança à vida, não tem ninguém.


Martelada
Carlos Moisés, depois de matar de vez o Bombeiro que havia dentro de si, assumiu-se governador. E está fazendo todo tipo de acerto para levar, neste acordão, o melhor resultado para sua gestão. Como uma sereia, cantou aos marujos.

Total
Embora mastigadinha, a Reforma Administrativa que o dono do cajado precisa para implantar seu modo de governar, já vai ser aprovada na Alesc. A Casa onde, independente de Maurício Eskudlark, tinha vários líderes do governo.

Amparado
O chefe de Paulo Eli está acertando com as bancadas e, como é a velha política, mergulhou profundo. Bem diferente de Jair Bolsonaro que, ao contrário dele, joga a culpa da ingovernabilidade nas corporações e instituições, Moisés abraça tudo.

Empurrão
A vice de Moisés, mais ou menos o que Jair Bolsonaro falou no Texas, já deu o que tinha. Como o Chefe de SC amarra, ele mesmo, suas atitudes, jogou-a no limbo. A moradora de Chapecó, antes representativa, agora é apenas parte da chapa.


Como pegou gosto pelos talheres e copos da Casa d’Agronômica, o tirou definitivamente qualquer lembrança de sua passagem pelas guarnições que comandara. Tem um objetivo maior em 2022. Quem atrapalhar, coloca fogo.

Incendiário
Quando disse em Chapecó que iria colocar fogo na ponte de acesso ao Centro Administrativo, Moisés falou sério. A primeira a ir para a UTI, pelas queimaduras, é a sua companheira de chapa. O titular vê na vice, por enquanto, apenas isso e nada mais.



Escalando
Douglas Borba é o tecelão principal dos acordos feitos na Alesc, Paulo Eli do alcance ideal do Tesouro e o secretário da Administração, a cereja da gestão. Ninguém tasca, foi Jorge Eduardo quem viu, primeiro, o Everest de Moisés para 2022.

Brizolistas
Se antes Paulinha e Rodrigo Minotto jogavam em posições diferentes, a bancada segue na mesma direção. E falam a mesma ideia com relação a Carlos Moisés onde tem as portas abertas da Residência Oficial e do Gabinete de Trabalho.

Troca
A dupla Minotto e Paulinha olha os resultados do PDT para o grito eleitoral do ano que vem. Ao ter intimidade política com Moisés, os brizolistas querem tirar dividendos no vácuo do PSL, o partido do Bombeiro morto, agora menos necessário.

Calado
Policiais civis e militares, incluso os bombeiros, olham para Moisés aguardando que ele, assim como é nos estados do Nordeste, praças pilotem os helicópteros que os oficiais não permitem. As altas patentes se veem superados.

Absurdo
Os praças são pilotos experimentados e aprovados, inclusive dando suporte para o Ibama em Brasília contra crimes ambientais. O oficialato de SC não permite que ninguém abaixo deles comande uma aeronave dando ordem de operação.

Cadê
O Ministério Público já enviou ao governador os gastos altíssimos para formar novos pilotos. Mesmo assim, Carlos Moisés ignora. Não aceita que praças, pilotos formados e à disposição, ocupem o espaço dos oficiais. Então o MP serve para quê mesmo?

Esqueceu
Os 294 aprovados no concurso de Bombeiro aguardam a academia dando início à formação. Cansados de pedir audiência com o governador, que era do meio, não são atendidos. Apelaram para os deputados. Quem diria, até cel. Mocellin ignora-os.

Problema
Para ter o que dizer às lideranças e olhar 2022 com espaço e voz, Raimundo Colombo observa a presidência do PSD como ponto inicial. Ficando fora, terá que abandonar a vida pública. Se perder o motivo da saída de Merisio, vai ganhar de quem?


Quando chegar 2022, Colombo terá que olhar friamente o que sua indiferença impediu em 2018. Poderia ter ficado no governo, atrair aliados e pensar o comando nacional. Agora, serviçal de Kassab, o máximo deputado federal naquela estadual.

Espaço
Júlio Garcia, franco atirador nas estaduais, vai medir sua força nas municipais. Lixar as rebarbas e mergulhar na majoritária. Como tem apenas uma vaga para o Senado, as conversações entre Dário Berger e o presidente da Alesc, tem valor.

Curto

A vaga ao Senado só ficaria ao alcance de Raimundo Colombo na edição da Tríplice ou uma força extraordinária ainda desconhecida. Se não tiver como, terá que correr muito para federal. E não bater na Tamburello como em 2018.



Alesc - Julho
Investimentos Criciúma
Fiesc Setembro
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro