Close Menu

Busque por Palavra Chave

Jessé se enfraquece; Moisés se fortalece; Fidelidade de Peninha; MDB e surpresas; Berger, Colatto e HRO; Fecam na UTI

Por: Marcos Schettini
24/05/2019 08:56 - Atualizado em 24/05/2019 08:57

Acorda Fecam, a corda
O presidente da Federação Catarinense de Municípios vive, como todos os prefeitos do país, a agonia de falta de médicos para dar atendimento respeitoso aos cidadãos que, neste momento, estão abandonados. Dona Chiquinha e o Bastião, que não tem nada a ver com a ideologia entre esquerda e direita, estão ainda em atendidas porque é uma sensibilidade real dos prefeitos. Um deles, por exemplo, terá que pagar até R$ 30 mil a um profissional em pediatria. O menos médicos, que derrubou o Mais Médicos, foi uma guerra que, quem perdeu, foi o cidadão de bem. A preocupação de Joares Ponticelli, também prefeito de Tubarão, é nesta direção. Vai mobilizar o país par a encontrar uma solução. Como está hoje, quem pode pagar para ter consulta, não sabe a luta de Toninho e Dona Cândida. Todos os prefeitos estão no cadafalso. Derrubar o que estava dando certo é uma coisa, não apresentar alternativa, é outra. Os cidadãos, desamparados, que batem a cada hora no gabinete deles, não sabem o que é a queda de braço entre PSL e PT. Estão quase sem ar. A corda aperta o pescoço de todos.


Começou

As movimentações dos deputados Bruno Souza e Jessé Lopes, de enfrentar seus pares dentro na Alesc, começam a tomar corpo também dentro da Casa d’Agronômica. O deputado do PSL afronta Carlos Moisés e hoje já está fora do baralho.

Fechou
Jessé Lopes fala além do que prega e, para afinar com o que diz, o governador vai tirar seus cargos do governo e a bancada aqueles na liderança. Como fala para pregar uma moralidade que não vive, decidiram tirar tudo o que tinha às escondidas.


Diapasão
Bruno Souza e Jessé Lopes se reafirmam voz das ruas e, atrás das cortinas, utilizam as benesses que o Poder oferece, fazendo demagogia nas costas dos pares da Casa. Por pregarem o que não falam, agora estão na estrada certa.


Malandragem
Os deputados das redes sociais utilizam o espaço para vender a imagem que agrada o eleitor e, às escondidas, muito bem de vida financeira, atacam os pares de modo desrespeitoso, se assumindo paladinos da moralidade que não vivem atrás das cortinas.

Certíssimo
À medida que percebe falta de sintonia no que deveria ser afinação, Carlos Moisés arranca, no início, o que Jessé Lopes queria esconder por tempo ilimitado. Quando soldados querem enganar o general atirando na própria casamata, é paredão.

Lembrança
Quando matou o tolo dando luz ao esperto, o governador sabe que deverá agir na dureza da posição ocupada. Pela votação obtida com a aprovação da Reforma Administrativa, Moisés abriu o mar de possibilidades. Jessé deveria saber.

Desrespeitoso
Carlos Bolsonaro, o boçal filho do Chefe da Nação, atacou o melhor chão do presidente no Congresso. Rogério Peninha Mendonça não estava na votação do Coaf por motivos de saúde e o vereador carioca acha-se no direito de cobrar do deputado federal.

Antigo
O vereador e filho do presidente se entende no direito de atacar tudo e todos de modo boçal ao tipo de sua personalidade infantil. Carlos Bolsonaro se percebe acima de qualquer pessoa. É a ala velha da política. Está há 18 anos na Câmara Municipal.

Socorro
Rogério Peninha Mendonça é um quadro ligadíssimo à pessoa do Chefe da Nação e não tem porque ficar dando explicações. O trabalho do deputado federal ao lado do presidente da República, em todos os momentos difíceis, diz por si.

Anotar
Dentro das discussões de que Celso Maldaner é franco favorito, há o efeito surpresa negativo do deputado não abrir mão, de maneira nenhuma, do cargo. Mais ou menos o que Mauro Mariani fez em relação à candidatura ao governo. O resultado é conhecido.

Mais
A pressão junto a prefeitos e delegados para a formação de uma chapa do novo diretório do partido, está levando os quadros ao raciocínio de que o deputado federal, marido de Rose Maldaner, pode ter uma surpresa na votação da Executiva.

Movimentação
Valdir Colatto estaria se mexendo para que o comando ulyssista fique nas mãos de Dário Berger, entendendo que o senador teria instrumentos de infraestrutura, comunicativa e política, para convencer o futuro diretório a mudar de opinião.

Mexida
Hélio Costa tem se movimentado para garantir grande mobilização política em torno do tema de desaparecidos e foi falar com a ministra Damares Alves para garantir a presença no evento que contará com Sérgio Moro em dois dias de debate do assunto.

Mergulhou
O deputado federal mais votado em 2018 vai envolver Polícia Civil nacional para que a discussão ganhe corpo de solução. SC tem 1352 desaparecidos com 220 crianças neste número. Assunto forte e necessário. Quem não vive a dor, não sabe a importância.


Finalmente
Valdir Colatto, mesmo longe das decisões do Congresso, comemorou o repasse dele e do senador Dário Berger de 1 milhão em emendas de cada um repassado para o pleno funcionamento do acelerador linear do Hospital Regional de Chapecó.

Excelente
Gelson Dalla Costa, diretor-presidente do hospital, reconhece a sensibilidade do senador Berger e do então deputado federal Colatto pela soma de esforços nesta direção. Só quem utiliza o serviço entende a necessidade funcional da máquina.







Alesc - Outubro - Mobile
Uniedu - Governo SC
Floripa - Um novo amanhã - Mobile
Essenciais de Verão
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro