Lê Notícias - - Direito em Foco | Violador da ética judicial
Close Menu

Busque por Palavra Chave

Direito em Foco | Violador da ética judicial

Por: Gustavo de Miranda
03/07/2019 10:18

Recentemente, alguns ministros do STJ chegaram a admitir o uso das mensagens roubadas de Moro e Dallagnol como prova para fundamentar decisão contra processos e contra a atuação das autoridades nos processos da Lava Jato.

É uma novidade no meio jurídico essa iniciativa de parte do Supremo de utilizar provas ilegais como fundamentação de decisão, e isso é perigoso, pra dizer o mínimo, pois tudo que se faz nos tribunais superiores se replica nos anteriores e gera precedentes, jurisprudência que pode ser usada para justificar todo tipo de situação semelhante depois, e assim começa um efeito cascata que pode vir a questionar toda a estrutura de produção e utilização de prova e, consequentemente, o caos, ela será tão relativizada que até o fato notório vai ser questionado.

Daí vem a régia responsabilidade que têm esses ministros, a de agir conforme a lei, a Constituição, mas tem uns que agem conforme o interesse de seus donos, por isso a estrutura jurídica está soçobrando.

A civilização estruturou o estado e criou normas, regras, leis, que são essenciais para o seu funcionamento. As instituições só tem poder porque as pessoas acreditam, democraticamente. Se amanhã mesmo o Congresso tomar uma decisão e o presidente avalizar, o STF deixa de existir, e do mesmo modo todos eles podem ser extintos, por isso a Corte não pode permitir o descrédito de sua atuação.

Como diz a Constituição Federal, todo poder emana do povo, e o poder desses ministros envolvidos na toga preta, que representa isenção, vem da crença, da credibilidade que o povo deposita nas instituições. É como o dinheiro, que é só papel, mas que é trocado por tudo e tudo tem valor mensurado em dinheiro, tal qual é a abstração criada.

Em Direito, sobre provas ilegais, nós temos a metáfora dos frutos da árvore envenenada, que não podem ser consumidos, teoria que foi esquecida pelo lacaio Gilmar Mendes na tentativa de justificar o uso das conversas como uma prova de parcialidade e possível nulidade nos processos, como se isso afastasse o caráter criminoso das ações que foram julgadas e dos réus condenados.

O STF não é casa revisora de processo, sua atribuição é fazer o controle e a aplicação da constitucionalidade, porém, tem esses que tentam meter o bedelho onde não tem nó, como foi o caso do Toffoli e o inquérito ilegal contra a revista Crusoé.

Eis uma verdade, que disse o juiz do TRF3 Fausto De Sanctis* que julgou as operações Satiagraha e Castelo de Areia e vê como legalmente nulas como prova essas mensagens vazadas: “O supremo tem sido reconhecido como o primeiro violador da ética judicial, não se reconhece em muitos ministros a figura de um magistrado, mas a de um político”.

Pois vou dizer de novo, o Supremo, a despeito dos bons que atuam lá, é o primeiro violador da ética judicial.


*O juiz deu uma entrevista à Folha de São Paulo onde descreve com detalhes sua opinião.


Governo de SC
Prefeitura de Chapecó
Semasa Itajaí
PALHOÇA
Unochapecó
Prefeitura Floripa Junho
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro