Close Menu

Busque por Palavra Chave

BUSCA PELO PASSADO

Ceom participa de novas pesquisas arqueológicas internacionais

Por: LÊ NOTÍCIAS
28/08/2019 16:55
Unochapecó Esqueleto de cachorro pré-hispânico que pertence ao acervo do Museu Nacional de Antropologia do Uruguai Esqueleto de cachorro pré-hispânico que pertence ao acervo do Museu Nacional de Antropologia do Uruguai

A partir do convênio binacional entre a Unochapecó e o Instituto Nacional de Antropologia e Pensamento Latino-Americano/Argentina, em vigor desde de 2013, em conjunto com um grupo maior de pesquisadores sul americanos e europeus, o Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina (Ceom), iniciou a participação em pesquisa para estudo de cachorros domésticos pré-hispânicos (Canis familiaris) e de amostras de humanos antigos. Os dados de amostras de fauna moderna e antiga são levados em consideração para comparação, além de ossos humanos, para entender migração, alimentação e aspectos climáticos desses povos.

Por questões de preservação, é muito raro encontrar vestígios de cães nos sítios, por isso a importância desse estudo. Assim como o Homo Sapiens, o Canis familiaris não é nativo da América e migraram para cá junto com os humanos, o que torna a pesquisa muito mais atrativa e necessária para compreender melhor os povos antigos, segundo a coordenadora do Ceom e professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais, Mirian Carbonera. ''A ideia é analisar os achados arqueológicos do alto rio Uruguai numa perspectiva mais ampla, já que este rio foi uma fonte importante de abastecimento, de deslocamento e integração para as populações pré-históricas”.

De acordo com Mirian, o projeto 'Pesquisa e difusão da história das ocupações humanas pré-coloniais do alto rio Uruguai', integra o projeto maior 'Arqueologia da Floresta Atlântica Meridional Sul Americana'. “Uma de suas ações é integrar os dados arqueológicos que são produzidos regionalmente em um estudo maior, já que as características das antigas sociedades que ocuparam o Sul do Brasil estão muito mais voltadas para a bacia do Prata, do que para outras regiões brasileiras”, comenta.

O pesquisador do Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (Conicet), professor Daniel Marcelo Loponte, reforça a relevância do trabalho com os cães pré-hispânicos (Canis familiaris) partindo da premissa de compreender a entrada dos cachorros América e seu significado na vida e no cotidiano dos povos antigos. "A pesquisa visa estudar a presença dos cachorros pré-coloniais, suas características morfométricas e de DNA e suas relações com os grupos humanos, o que permite compreender a dispersão desta espécie pela região".

No decorrer dos estudos é buscado as semelhanças e divergências que podem ser observadas nas populações que ocuparam o rio Uruguai, que se forma em Santa Catarina e se conecta com o Rio Grande do Sul, Argentina e Uruguai. Devido a essa conexão, as análises acontecem em museus e sítios arqueológicos do Brasil, Uruguai e Argentina, além de algumas com parcerias da Universidade de Tubinguen da Alemanha.

Outras Notícias
Fecam
OktoberFest
CORAÇÃO DE SC
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro