Close Menu

Busque por Palavra Chave

Entrevista | Alvaro Dias organiza Podemos em SC, critica Governo Bolsonaro e pede reação do Congresso Nacional

Por: Marcos Schettini
28/10/2019 14:46

Defensor da Operação Lava Jato, o senador Alvaro Dias ganhou notoriedade nacional quando disputou a Presidência da República em 2018. Maior liderança do Podemos no Brasil, o parlamentar paranaense visitou Blumenau no final de semana e concedeu uma entrevista exclusiva ao jornalista Marcos Schettini. Articulando nomes para 2020, o senador diz preferir bons nomes do que quantidade eleitoral. Ainda, criticou o presidente Jair Bolsonaro, refutou a ideia do sistema parlamentarista e disse que as manifestações no Chile servem de alerta ao Brasil.

Marcos Schettini: Qual é o cenário do Podemos em Santa Catarina?

Alvaro Dias: Estive em Blumenau para visitar a Oktoberfest e, claro, conversamos sobre política e sobre a construção do Podemos, que hoje tem a liderança de Paulinho Bornhausen no Estado. Contamos com adesões importantíssimas, com organização em muitos municípios. Nós queremos ser essa ferramenta política inovadora, um movimento que tem por objetivo fazer a leitura correta das prioridades da população, colocando-as em prática. As prioridades mudam e as circunstâncias determinam as prioridades. Nós temos que acompanhar e procurar representar a vontade da população. O objetivo do Podemos é representar o povo.

Schettini: O prefeito de Blumenau, Mário Hildebrandt, está próximo ao Podemos?

Alvaro Dias: O prefeito Mário é bem cobiçado por todos os partidos e é evidente que o Podemos é um deles, mas ele faz a hora dele, porque é prefeito e está preocupado com a administração, com a cidade e a população. Ele tem tempo até abril para esta decisão. Se vier para o Podemos será muito bom, uma honra. Terá sempre nossa torcida de longe e nossa solidariedade de perto.

Schettini: O prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, está sem partido. Há uma proximidade com o Podemos?

Alvaro Dias: Já convidamos o Gean Loureiro e ele está na mesma situação do Mário, aguardando o momento mais adequado para uma definição. Ele é convidado a fazer parte do partido. Será uma honra, já que faz uma boa administração em Florianópolis. O prefeito de Balneário Camboriú [Fabrício Oliveira] também é nosso convidado e estamos aguardando a definição dele. Nós temos paciência de aguardar o momento e são eles que sabem a hora.

Schettini: O deputado Rodrigo Coelho está em conflito para deixar o PSB. Qual é o caminho a seguir?

Alvaro Dias: Nós conversamos com o Rodrigo Coelho, ele é dedicado, tem competência, é trabalhador. É uma liderança que desejamos no Podemos, mas entendemos a dificuldade da legislação. Entendemos que ele tem justa causa para deixar o partido sem colocar em risco seu mandato. Eu, no lugar dele, deixaria o partido sem nenhuma preocupação. Mas cabe a ele a decisão e estamos aguardando. A legislação permite, quando há justa causa, a mudança de partido sem prejuízos ao mandato.

Schettini: Como o senhor observa o Governo Bolsonaro?

Alvaro Dias: Eu tenho dificuldade de fazer uma avaliação crítica, porque eu sempre critiquei esse modelo de gestão. O grande problema do Brasil é esse confronto entre extrema-esquerda e a extrema-direita. A primeira fracassou, não mostrou competência e envolveu o país em escândalos de corrupção intermináveis. A extrema-direita, em razão dos seus objetivos, acaba se alinhando à extrema-esquerda. Uma alimenta a outra. Há um interesse em manter essa dicotomia, que é muito ruim para o Brasil. É preciso dizer que existe vida inteligente entre extrema-esquerda e extrema-direita. É caminhando para frente que vamos resolver os problemas deste país. O que está acontecendo agora é o que aconteceu na campanha, quando se estabeleceu esse confronto. Não houve alteração de rota e modelo, mas nós precisamos mudar isso.

Schettini: Quem manda no Governo Bolsonaro? O presidente ou seus filhos?

Alvaro Dias: Eu acho que ninguém manda [risos]. Essa confusão toda dentro do PSL é muito ruim ao país. Não há liderança, não há comando e nem organização. Não há paz, tranquilidade, disciplina e ordem.

Schettini: Em entrevista à Folha de S. Paulo, o ex-senador Jorge Bornhausen levantou o debate do parlamentarismo. Como o senhor vê este modelo?

Alvaro Dias: Eu penso diferente em relação ao modelo de governo. Quando há o primeiro-ministro é o sistema parlamentar. Hoje vivemos essa confusão no partido do Governo, somado com a quantidade de partidos no Congresso e as mais de 70 siglas aguardando aprovação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), isso é uma balbúrdia. Alguns, segundo a Operação Lava Jato, são organizações criminosas. Então seria um péssimo momento para instalar o parlamentarismo. Neste momento não tem o meu apoio. Precisamos ter a felicidade de eleger um presidente da República que possa promover mudanças neste país, para que se possa se discutir o sistema parlamentarista. Hoje, no meu entendimento, seria um fracasso.

Schettini: O STF, com o voto da ministra Rosa Weber, caminha para derrubar a prisão após a segunda instância. Qual o posicionamento do Congresso Nacional?

Alvaro Dias: Não posso falar em nome do Congresso, porque lá tem a banda podre que é favorável à impunidade. É um golpe fatal no combate à corrupção. É uma vitória da impunidade. É um retrocesso deplorável. Isso ocorre também por omissão do Legislativo. Se o Congresso não votou, ele também é responsável. Se o Supremo Tribunal Federal é promotor desta afronta ao Brasil, neste golpe na Operação Lava Jato, o Congresso é coadjuvante, pois não votou no tempo hábil, quando iríamos legitimar constitucionalmente a prisão em segunda instância. O Congresso precisa agir. O Brasil está atrasado. Dos 193 países ligados à ONU, apenas o Brasil não tem prisão em 1ª e 2ª instância. Nós ou os outros estão errados? Evidentemente, nós estamos errados.

Schettini: De olho em 2022, Bolsonaro estaria desidratando o ministro Moro?

Alvaro Dias: Não há como negar a existência deste mal-estar. O tapete do ministro Moro foi puxado várias vezes, mas ele venceu essa tempestade com frieza. Hoje parece que ele readquiriu a confiança do Bolsonaro. Não há mais constrangimento entre os dois. Nós defendemos o ministro porque ele tem um papel importante que ele exerce em combate à corrupção, liderando também o Pacote Anticrime.

Schettini: As manifestações no Chile colocam em xeque alguns movimentos na América Latina. No futuro, essa reação pode chegar ao Brasil, já que a Reforma da Previdência, em tese, teve o mesmo modelo chileno?

Alvaro Dias: O que está acontecendo nos outros países é um alerta. As promessas em benefício da população não foram cumpridas. Eles tiveram uma expectativa exagerada, que gerou frustração, então agora a população cobra dos governantes. Isso leva a população à revolta e à violência. Estão prometendo demais. Aqui, a Reforma da Previdência foi anunciada como a “salvação da pátria” e, daqui alguns anos, chegaremos à conclusão de que ela é insuficiente, que não era tudo aquilo que diziam, que não economizou tanto assim e que sacrificou muito a população. Isso nós podemos prever, então é preciso que o governo brasileiro tenha esses acontecimentos como um alerta.

Schettini: O senador Álvaro Dias é candidato à Presidência da República em 2022?

Alvaro Dias: Ainda não é o momento. Eu sempre condenei aqueles que antecipam o processo. Eu sei que quando o governo é muito ruim e a população está insatisfeita, há uma antecipação do processo. Começam a surgir novos candidatos, mas isso só atrapalha o atual governo. Eu prefiro aguardar o momento exato, aí nós faremos uma avaliação popular. É isso que vai determinar uma candidatura ou não.

Schettini: Qual é o projeto do Podemos para 2020?

Alvaro Dias: Nós queremos crescer com qualidade, não basta crescer, tem que ter identidade. As pessoas do nosso partido têm que apoiar as nossas causas, como o combate à corrupção. Somos quase a maior bancada no Senado. Estamos com 12 senadores contra 13 senadores do MDB, nós estamos equilibrados. Crescemos com qualidade. Não queremos perder nosso perfil e nossa essência. Nas eleições municipais também, queremos eleger prefeitos, mas não tem desespero com números. Nós queremos eleger com qualidade.

Fecam
OktoberFest
CORAÇÃO DE SC
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro