Close Menu

Busque por Palavra Chave

Manifestação e prudência; O inimigo não é ideológico; Mudança de hábito; O exemplo de Florianópolis

Por: Marcos Schettini
16/03/2020 09:55 - Atualizado em 16/03/2020 10:25

Responsabilidade e respeito

Gean Loureiro foi mordaz ao tomar todas as prevenções e medidas possíveis para tirar Florianópolis do caminho do caos. E o faz com a rapidez que o momento exige. Com uma equipe multidisciplinar, um comitê de acompanhamento 24h, tem o mapa real do cenário de terror que o coronavírus desenha. O prefeito mostra não somente sua fina visão de respeito pela vida das pessoas, mas defende isso como prioridade. Deixou de fazer política em busca da reeleição, para se voltar às discussões de todas as possíveis ações em favor de seus comandados. É provocado ali e lá pelos baixos opositores, mas ignora porque, política como deve ser, tem o momento certo. O governador Carlos Moisés, antes agindo como se estivesse jogando golfe em alto mar e ignorando a existência da Capital, chama hoje a Alesc e Judiciário para agir em conjunto. Acordou. Parecia estar submerso em uma irrealidade, na apneia de mergulho.


POIS

As pessoas já olham o coronavírus como que, desesperadas, um caminho sem volta. Assustadas com o cenário de terror que chegam nas redes sociais, muita informação falsa, imaginam-se no apocalipse. As igrejas evangélicas, sempre elas, afirmam que tudo isso aí é o retorno de Jesus.


REAL

É no meio evangélico onde os charlatães, aguardando oportunidade, mais jogam nos próprios interesses. Até porque é neste meio que a fé, explorada na ignorância plena dos fiéis, reina em absoluto controle. Ao contrário de apresentar formas para evitar o contágio, tem quem afirme-se imune em nome de Jesus.


PATÉTICOS

Os pastores, a maioria absoluta deles, à exceção de uma pequena fatia que leva com seriedade o Evangelho, pedem mais ofertas e dízimos afirmando que, assim, estão garantindo a proteção divina porque a igreja precisa ser forte. Ganhando muito na inocência dos fiéis.


ERRO

O presidente da República, cercado destes multimilionários evangélicos, deveria ter evitado incentivar as manifestações de ontem. Jair Bolsonaro cumprimentar seus fiéis seguidores contrariando o que o Ministério da Saúde recomendou, foi inaceitável diante do terror iminente.

TAMBÉM

Jair Bolsonaro levou o caso do coronavírus sem a responsabilidade exigida por um chefe de Estado. Ir à manifestação cumprimentar pessoas como que tudo está sob controle, não ajuda em nada. Ao contrário, destrói todas as formas científicas de combate e orientações estabelecidas.


NÃO

A turma que foi para a rua ontem, mesmo orientada a não seguirem com a manifestação, mostra o momento dificuldade vivido no Brasil. Ao Jair Bolsonaro levar em brincadeira que o coronavirus era apenas uma gripe, deixa claro a situação de loucura, escancarada, do país.


PARABÉNS

Mesmo dando negativo, tanto o deputado Daniel Freitas quanto o senador Jorginho Mello, se recolheram. O mesmo em Esperidião Amin e a deputada Angela. Esta responsabilidade mostra a seriedade como levam o caso. Ao contrário do presidente que deveria dar exemplo.


CEGOS

Para gostar do presidente não precisam ser tolos e inconsequentes. Mas o presidente não dá o exemplo e estimula esta divisão perigosa que coloca o país em uma disputa sem sentido. Agora, mais do que nunca, deveria juntar forças para combater o inimigo da humanidade e não ideológico.


DESRESPEITO

Por que tudo isso ocorre? Porque o presidente estimula a divisão olhando o cenário político que deseja para 2022 e contra o Congresso que pode tirar suas forças na lógica do ministro do STF. Celso de Mello disse que Bolsonaro pode muito, mas não pode tudo.

RECOMENDAÇÃO

Quando o ministro da Saúde diz que as mudanças serão alteradas conforme o mapa do terror se modifica, o presidente vai no caminho contrário. A pergunta que fica é saber o que o país de fato ganha quando o presidente da República não respeita as orientações?


SENSATEZ

Se o momento não é de enfrentamento ideológico, justamente para que o inimigo silencioso não avance, por que estimular o enfrentamento? O país precisa pular estes desafios com uma forte demonstração de responsabilidade. O que as manifestações ganharam de fato?


MANIFESTAÇÃO

O movimento que aconteceu ontem é democrático, é de direito, tem propósitos, mas foi desnecessário. Não havia nenhuma lógica para sair atacando o Congresso e STF quando, poderes paralelos, são coparticipes de interesses da Nação. Olavo de Carvalho é acéfalo e brinca com a vida do país.


PIOR

Ter um professor, literato ou guru como Olavo de Carvalho não é absolutamente nada que mereça respeito. O pseudo filósofo da Virgínia, nos EUA, estimulou a ida às ruas porque desrespeita o país, os brasileiros e a guerra que está sendo travada contra o coronavírus.


ENFIM

Secretário Douglas Borba passou todo o final de semana em atividade plena de suas funções para, ao lado do governador Carlos Moisés e Helton de Souza, segurar a represa do coronavírus prestes a estourar. Executivo chama Legislativo e Judiciário para atuarem juntos.



Alesc - Julho
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro