Close Menu

Busque por Palavra Chave

Gean Loureiro lidera SC; Fica em Casa, vai para a rua; Quem é o certo e errado? O vírus também cega; Moisés corretíssimo

Por: Marcos Schettini
30/03/2020 00:51
Mauricio Vieira/Secom

Parabéns, Carlos Moisés

Os movimentos feitos em favor de combater o coronavírus estão certos ou errados? Quem vai morrer, pergunta-se à ciência? Quem não vai morrer, pergunta-se aos opinadores? Quem está certo na guerra entre ciência e ideologia? Por que um prefeito e empresário poderoso como Antídio Lunelli, de Jaraguá do Sul, mandou desinfectar as ruas e lugares públicos no município? Por que prefeitos como Gean Loureiro, Gigante Buligon, Udo Döhler, Clésio Salvaro, Wilson Trevisan, Lírio Dagort, Mário Hildebrandt, Avelino Menegolla, Joares Ponticelli, Rose Maldaner, Adilson Barella, Camilo Martins, Mário Afonso Woitexem, Adeliana Dal Pont, Dioclesio Ragnini e o próprio presidente da Fecam, Saulo Sperotto, prefeito de Caçador, têm tomado tantas precauções para evitar o caos em suas cidades? De graça? Por que não gostam de trabalhar? Quem é o inimigo da sociedade? Carlos Moisés que toma decisões respeitáveis e na direção correta, como tem feito Donald Trump no maior país capitalista do mundo ou, como se tem visto, a irresponsabilidade de mandar todos irem para a rua? Que brincadeira satânica é esta de mandar todos saírem de casa?


CORAGEM
Gean Loureiro manteve firme seus propósitos de defender o ilhéu a tombar pela força do coronavírus. Assumiu medidas duras demonstrando foco sob orientação de coletivo científico. Não somente ganhou respeito, garantiu o governador seguir na mesma linha.



FATO
O tempo vai dizer quem, realmente, está certo ou não na questão de afrouxamento das medidas de controle sanitário. A queda de braço entre ciência e ideologia, vai dizer. Nem mesmo a família Amin ou Dário Berger, que governaram o Estado e Capital, manifestaram-se contra. Sabem que o vírus do mal deve ser vencido.



CONSEQUÊNCIAS
Parece que os ensinamentos científicos, infectologistas e epidemiologistas, não valem nada. Até o presidente dos EUA cedeu. Se toda esta indisciplina ideológica for maior que a recomendação de quem é da área da Saúde e estiver errada, adeus ciência.



CONTRÁRIO
Caso os números dos cientistas estejam certos e a linha de curva subir em PG, no estouro da represa em alguns dias, o afrouxamento diz por si. A responsabilidade, agora, são dos dirigentes. O cenário macabro que ocorrer vai ser assumido por quem? Presidente? Governadores? Prefeitos? Quem assina os atestados de óbito?



ERRO
Se Milão, a cidade mais rica da Itália, errou ao negligenciar a leitura da ciência, por que o Brasil deve seguir o tropeço? O comercial dizendo que não iriam parar, fechou os cemitérios e congestionou os crematórios. E o que resolveu a economia?


COLHEITA
Amanhã não adianta criar #reversão. As funerárias 24h e marcenarias para produção de caixões, vão encher o cofre com os corpos que chegam. É a safra macabra dos carpinteiros e serviço fúnebre. Pela demanda na Europa, sonham com uma filial em Milão e outra em Madrid.



BACANA
Os cientistas dão rumos de combate ao coronavírus, mas as autoridades políticas e empresariais, aquelas ligadas às ideologias, olham 2022 e o banco. Hoje, o negócio do momento é farmácia, hospital e funerária. Quem tem estes seguimentos, se for olhar, devem adorar o vírus como parceiro.


SÉRIO
Os dominadores de dados de controle, que sabem exatamente como entrar em campo e bater de frente na derrubada do inimigo silencioso da humanidade, vai completamente contrário dos empresários e políticos, não estão preocupados. Até porque a explosão da represa, prestes a acontecer, só não vai pegar muito quem está em casa.



IDEOLOGIA
O vírus não tem cor partidária nem investidor na Bolsa. Ele, infernal, chega derrubando tudo, da economia à política, soberbos e humildade, pobres e ricos. Não tem caderneta de poupança ou conta jurídica. É um assassino invisível que pode pegar bolsonaristas e petistas.


LEGAL
O próprio ministro Mandetta, preso às amarras das decisões, em casa ou na rua, vai ver a Brumadinho Viral estourar logo aí na frente. É uma bomba silenciosa que, como o avião na pista, só está taxiando para pegar velocidade e decolar. Levantando as cifras das funerárias, inclusive salvando-as por gerações.



DESASTRE
Não serão os políticos e bons empresários, em seus sítios, brincando com seus cachorros ao lado da piscina, a família bem abastecida, carinho e fartura. Mas a Chiquinha, o Bastião e o Tonho, morando em péssimas condições, serão o Cavalo de Troia da multiplicação do vírus.


HOSPEDEIRO
Se cada um, a partir do momento em que estão voltando à normalidade, negando o confinamento da quarentena que os cientistas defendem, serão os meios de transportes do vírus para dentro de lojas, indústrias, casas e etc, por que pregam a desobediência da ciência?



SOCORRO
O vídeo oficial do Governo Federal que prega o fim do isolamento e foi impedido de ser veiculado, é um agrado às funerárias, cemitérios e crematórios. Ocorreu na Itália. Os milhares de mortos deixaram famílias chorando e em guerra pelo inventário. Os efeitos são, então, antes e depois.


INOCÊNCIA
O pico de coronavírus, que será logo após a Páscoa, deverá dizer tudo. Quem está certo, ou não, na tese de derrubar o isolamento social. O grupo ideológico do governo, ignorando o que está prestes a explodir, vai na onda só porque Bolsonaro defende. Resta saber se, depois que ver o demônio, vai entender o inferno.



EURECA
Quem apostou no chamado Liberalismo Econômico, a favor do Estado Mínimo, agora vê o coronavírus expor as vísceras do liberalismo carregadas na bacia do Estado. A chamada “bolsa empresário” nunca esteve tão em alta. Para quem não entendeu, é o Governo Federal salvando o setor privado.



ONDE
A pergunta do momento é mostrar a equação Estado e Liberalismo. Cadê a força de um e de outro, é a pergunta. Onde estão, agora, aqueles que fulminam ataques contra o Estado? Quem é o paquiderme branco, velho e obeso? O cofre estatal, no mundo todo, socorrendo o privado. Trump que o diga com seus 2 trilhões de dólares.


PERGUNTA
Se os prefeitos estão todos agindo contra a doença, governos fazem hospital de campanha, entidades empresariais arrecadam dinheiro para comprar respiradores, então por que fazem a guerra contra a quarentena e confinamento? Por que agem de uma maneira e depois, o retorno ao trabalho?



QUESTIONAMENTO

Se os empresários estão arrecadando dinheiro para comprar respiradores e matéria para os profissionais de Saúde, então por que não defendem o confinamento? Alimentos e saúde sim, transporte também, mas o que justifica aos demais? O que é vida e morte neste raciocínio?




Semasa Itajaí
Alesc - Novembro
Unochapecó
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro