Close Menu

Busque por Palavra Chave

Esmeraldino saiu tarde; Empresários não sentirão falta; CPI amanhã é tsunami; Medicina política legal

Por: Marcos Schettini
25/05/2020 15:16
Solon Soares/Agência AL

Necropsia e enterro

Os deputados vivem hoje o que se chama de Legislativo Legal. Fora a redundância, são eles os responsáveis para dar destino ao corpo da chapa eleita de 2018. Não é apenas um caso isolado de oposição a Carlos Moisés e Daniela Reinehr, sua patética parceira de ilusão administrativa, mas para onde está indo SC. O odor pútrefo das partes vai, aos poucos, gangrenando as demais. Isso quer dizer que não há mais fluxo sanguíneo e é preciso amputar imediatamente. Legistas, os parlamentares precisam levar este paciente, à beira da morte, imediatamente à cirurgia. Com bisturis, vão retirando a parte necrosada para salvar o paciente. Isso quer dizer que, prestes à falência múltipla dos órgãos, inclusive na patética forma administrativa empregada na Segurança Pública, Santa Catarina respira por aparelhos. CPI, neste caso, até joga contra o tempo. Ou um, ou enterro.


FOMINHA

O desembarque de Lucas Esmeraldino do governo já era esperado porque é do seu caráter agir nesta direção. A saída do governo também. Este rapaz, bem a fundo, precisa ser investigado pela PF ou Gaeco. O garfo dele é forte.


FAMILIAR

Está no DNA de Lucas Esmeraldino um balaio cheio de dúvidas de seu caráter moral. Ele e seu irmão são, por assim dizer, uma espécie de aspirador. Os Portos de São Francisco do Sul e de Imbituba que o digam. São fios desencapados.


PERDA

A saída de Esmeraldino não deixa nenhum saudade na Secretaria de Desenvolvimento Econômico para o setor empresarial. O que vai fazer falta em sua vida são as diárias das idas a Brasília para suas festas intermináveis.


GANHOS

O empresariado catarinense tem muito a comemorar com a saída do secretário Esmeraldino do governo. Como ele não fez nada e chora vergonhoso diante do espelho, a esperança de alguém com caráter melhor, por si, anima.


GERAL

A mais nova baixa na gestão Moisés se tornou corriqueira porque todo o governo, como se sabe, é uma fraude. O bombeiro é uma fraude. Nada nestes quase 18 meses desta tropa que assumiu em janeiro de 2019, pode ser levado a sério.

PORTEIRA

Não há nada de errado para que Paulo Eli, o super competente secretário da Fazenda sair, também, deste chão contaminado. Embora negue deixar o governo, sua grandeza é mais testada pela insistência que os valores que carrega. Pular é até honroso.


HORROR

Quando Douglas Borba e Helton Zeferino estiverem na CPI, amanhã, para explicar como conseguiram ser tão incompetentes e, mais que isso, comprar respiradores Gasparzinhos, vai enfrentar todos e, em particular, a inteligência de João Amin.


MAPA

Se os deputados têm alta capacidade de inquisição, João Amin carrega no DNA a experiência de casa para os argumentos. Helton Zeferino e Douglas Borba serão levados à autópsia. Querem saber os detalhes da morte deste dinheiro público.


RÁPIDO

Comprar o que não existe e pagar adiantado são grandezas típicas de personagens de ficção nos níveis de rapidez de personagens da Marvel e DC Comics. Douglas Borba, que liderava o governo, é mais veloz que a bala. Não à toa, era o super-homem.


FURO

Se tudo no governo Moisés começa a entrar água, fica claro até mesmo para um inexperiente marujo, que a embarcação está afundando. Não há o que fazer. Não tem boia suficiente e é preciso abandonar o navio. Aí é que entra a Alesc.




Anúncio Radial 2
Campanha Infraestrutura - Mobile
Campanha Agricultura - Mobile
Campanha Segurança Pública - Mobile
Campanha Santur
Rech Mobile
Alesc Facebook - Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro