Close Menu

Busque por Palavra Chave

CL31 - Compre certo

Por: Simão Baran Jr.
24/03/2017 08:47 - Atualizado em 24/03/2017 08:48


Acordamos assustamos com as notícias dos jornais. Cada semana é um produto gerando preocupação. Uma hora é problema com o leite. Ano passado foi inclusive notícia a proibição de venda de produtos que continham pelo de rato em níveis acima do tolerado.Agora é a carne que preocupa o brasileiro.

Na sociedade de produção em massa de hoje parece que o perigo está por toda parte. E o que o consumidor pode fazer para se proteger e se orientar?

Nos temos hoje uma diferença marcante no modo de vida e de produção de bens, incluindo aí os alimentos. O que acontece? Antigamente, os nossos alimentos eram produzidos localmente. Agora não. Bens são produzidos em massa, em quantidade gigantescas. E muitas vezes são produzidos longe de onde serão consumidos.

Então se antes você conhecia de onde vinha sua carne, tinha uma relação de confiança com o açougueiro, hoje você compra tudo no mercado e nem sabe de onde vem o que está comprando.

Não há dúvidas que os processos de industrialização trouxeram inúmeros benefícios, barateando o preço dos produtos disponíveis. Mas também geraram essa desconexão entre o consumidor e a origem dele.

Um caminho é o consumidor estar sempre atento ao que está comprando. O que explica a diferença de preço entre duas marcas? É tudo igual? Às vezes o mais barato pode significar um produto com menor qualidade ou até algum problema. E aí o barato pode sair caro.

Por exemplo, testes feitos com azeites de oliva pela ONG Proteste indicaram que algumas marcas estão fraudando o produto à venda. Vale a pena ir atrás dos resultados.

Outro caminho é o consumidor valorizar itens produzidos localmente. Na Europa e nos EUA há grande valorização dos produtos locais. Além de movimentar a economia local, é mais fácil conhecer os donos e estabelecer uma relação de confiança.

Também vale a pena ler os rótulos dos produtos que está comprando, especialmente a lista de ingredientes. E depois se informar acerca do que representam aqueles nomes estranhos ali presentes.

Por fim, será cobrado dos mercados a indicação da origem das carnes expostas no balcão da venda, com informação do fornecerdor, lote e data de validade, conforme obriga o Decreto n. 02/2015 da VISA/SC. É mais informação para o consumidor poder escolher com tranquilidade os alimentos para sua família.


Palhoça Você em Dia - Mobile
Covidômetro - Florianópolis - Julho
Alesc - Julho
Radial Julho
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro