Close Menu

Busque por Palavra Chave

Prisão de Borba é o final de Moisés; A dupla de 2018 afundou SC em vergonha; Cassação da chapa ganha força; A solução é explodir os trilhos

Por: Marcos Schettini
06/06/2020 10:38 - Atualizado em 06/06/2020 10:38
Mauricio Vieira/Secom

SC é um trem rumo ao inferno

O eleitor caiu no canto do mocinho que dizia-se amigo de Bolsonaro e foi desmentido. Pisou nos deputados estaduais e federais, chutou o TJ, TC, Fiesc, Fecomércio, agroindústrias, a cara do cidadão, riu da cara dos ex-governadores, vendeu patrimônios de necessidades, ignorou pilotos praças, trocou três vezes de liderança do governo e desrespeita a atual. A deputada Paulinha vive às piadas porque, embora seu esforço em vão, Moisés ignora sua experiência e boa vontade. Os deputados foram tratados com desrespeito e pilhéria, fez show pirotécnico na inauguração da Hercílio Luz rindo e saboreando o Poder como que seu em particular. SC é um cargueiro rumo ao abismo. Ou se explode os trilhos evitando a chegada ao inferno, fazendo o trem descarrilhar, com perdas grandes é verdade, mas salvando o que resta. Se deixar, esta aberração pode se tornar uma hidra. Corta a cabeça, vem outra. É preciso garantir a vida do Estado. Se não é a cassação já, deve ser no amadurecimento de sua necessidade.


FINAL

Com a prisão de Douglas Borba nesta manhã, quando a informação chegou quase às 07h, foi exatamente neste horário que, também, a navalha desceu rumo ao pescoço de Carlos Moisés. Um preso, outro decapitado.


ACABOU

Carlos Moisés e Lula da Silva se assemelham no bordão de não saber de nada. O governador é patético quando suja sua história de incompetência e arrogância. Um militar que desonra os bombeiros e cai como abacate vencido.


RESPONSABILIDADE

A CPI ganha força quando o principal envolvido no escândalo da compra e pagamento dos aparelhos fantasmas vai, definitivamente, preso por ter digitais de corrupção a mando do chefe. Dizer que Moisés é inocente, é desrespeitar o cidadão.


DECAPITAÇÃO

Mais que arrancar Carlos Moisés do poder, é riscar seu nome da história. Brincou de governar, enganou o eleitor desde o início, se escondeu prepotência dos 71% dos votos e ignorou os Poderes paralelos. A dupla faliu.

SERIEDADE

A CPI deve concluir os trabalhos imediatamente, dar sequência para enviar a redação do relatório, votar e resgatar SC imediatamente. O desastre eleitoral de 2018 pode levar o Estado ao caos. Com a palavra a Alesc.


MOVIMENTO

Não é apenas uma responsabilidade da Alesc, mas do TJ, TCE, MP, entidades empresariais, trabalhistas, profissionais liberais, estudantes, dona de casa, idoso, crianças, deputados federais e senadores. Jogar este desastre para fora.


MAIS

A educação de Julio Garcia ao afirmar que não há clima, é do seu estilo de homem público. Cassar Carlos Moisés é uma questão de honra dos catarinenses. O bombeiro colocou fogo na vergonha com imoralidade.


AMANHÃ

Segunda-feira, com a volta aos trabalhos da Casa, os deputados devem dar suas versões de homens públicos escancaradamente. Não há nada de errado em dar fim a um erro que, agora, tem apoio do cidadão.


DESESPERO

Tanto Carlos Moisés quanto a patética vice-governadora, são uma aberração. Se teve um governador que errou ali e lá, este é o pior que sentou na Cadeira do Executivo. A Alesc vai permitir esta vergonha até quando?



Semasa Itajaí
Alesc - Novembro
Unochapecó
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro