Close Menu

Busque por Palavra Chave

Chance de ouro a Gonzalo Pereira; O fim agonizante de Moisés; Gato e Rato; Narcisismo tolo; Alesc removedor; A honra de Gigante Buligon

Por: Marcos Schettini
22/07/2020 10:23
Arquivo/Lê Notícias

Gigante Buligon em nome da honra

O prefeito da maior cidade do Oeste tem passado todo tipo de provação. Para seguir adiante no comando de um município que exige muito, vanguarda na produção de alimentos, cortou os próprios pulsos ao se filiar no PSL, se expondo para atrair os recursos que Moisés nunca deu, porque é de caráter sujo. Gigante pilota uma Chapecó que ferve e exige coragem para decisões. Se subiu no palanque de Gelson Merisio ontem e hoje abraçou um porco-espinho, o fez porque ninguém faria. Pelo corte profundo, viu o sangue lhe sair das veias. Faria novamente em nome do município que ama. Agora, com o governo estadual esfarelado, é fácil ver a covardia colocar a cabeça para fora e gritar. O marido de Lúcia atrai, não trai. Sua índole limpa, exala transparência e honestidade, princípios pouco encontrados em um só homem. Feliz a família e a cidade que têm Buligon no comando. Não há violação de honra e nem do erário.


FIASCO

A candidatura de Gonzalo Pereira deu a ele uma saída honrosa do governo que entrou e, imediatamente, saiu. Dada as circunstâncias da administração em que respondia pela Comunicação, deve saber que, quanto mais longe estiver, menos gago fica.


DESASTRE

Ser candidato a qualquer cargo eletivo em 2020 com a marca de Carlos Moisés na testa, é assinar atestado de falência moral. O governador tem os pés sujo de Douglas Borba e seus asseclas. Neste caso, Gonzalo Pereira é mais lúcido.


ESTATURA

Só mesmo o PSL de Moisés, Daniela e seus iguais para manter as narinas na latrina que sujaram ao longo deste período de administração patética. Eles já sabem que terminou tudo. Quadros altos como Paulo Eli, ainda perseveram. É mais honra que razão.


HONRA

O governo não tem nenhuma a declarar. O barrete sobre a ponta da estrela na bandeira de SC, de vermelha de raiva, escureceu. Símbolo republicano que deveria ser luz para as iniciativas de Carlos Moisés, negou às instituições de Poder paralelo. Os mesmos que irão julgá-lo.


RAZÃO

Ao contrário de iluminar suas iniciativas, estendendo a mão do Executivo para a harmonia independente do Legislativo e Judiciário, ele escondeu esta grandeza, ignorou estes Poderes para, sob a força de 71% dos votos, declarar sua soberba que, agora, o derruba.


GATO

Olhando-se no espelho narcisista que, pelas manhãs, via-se refletido, o governador pasmava-se admirado ao observar o destino da sua vida que, sem saber como, chegou à moradia oficial do Estado. O lugar em que fazia festas, cerveja e tocava violão.


RATO

Agora com o espelho trincado, vê sua figura deformada nos estilhaços caído aos seus pés. Vê que, mesmo com apneia de mergulho, também precisa, um só, dos respiradores roubados dos catarinenses para garantir seus pulmões funcionando diante da asfixia do impeachment.


ESPELHO

À moda da malvada bruxa, aquela que jogou veneno na maçã da donzela Branca de Neve, o bombeiro enfiou a mangueira, sem dó, nos cofres do Estado e explodiu. Via-se perguntando, diariamente, se havia alguém mais honesto. Até aparecer o invisível vírus revelador.


REVELAÇÃO

O coronavírus trouxe à luz todo o esquema dos respiradores pagos adiantados com preços de Porsche Panamera. Expôs os corruptos no governo. Mostrou que Moisés em SC e Lula da Silva em Brasília, não sabiam de nada. Que a nova política herdou cacoetes.


REMOVEDOR

Agora, com todo o conjunto da obra conhecido, é preciso tirar este mal para que todos possam seguir em frente harmoniosamente. Tudo funcionando, SC crescendo, expandindo sua força na política e economia do país. Gelson Merisio havia dito.



Semasa Itajaí
Alesc - Novembro
Unochapecó
Rech Mobile
Publicações Legais Mobile

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro